quarta-feira, janeiro 30, 2008


Para quem defende com urgência a implantação de um modelo de regionalização, ficam, para já, estas linhas de Robert D. Putnam, a merecerem adequada reflexão, com alguns sublinhados meus:

"Strong regional and local identities are part of history's bequest to Italy. Regional entities - geographically defined, politically independent, economically differentiated, and generally dominated by a strong city - have been proeminents threads in the tapestry of Italian history for more than a millennium. Indeed, when the Italian state was proclaimed in 1860, linguistic variegation was so pronounced that no more than 10 percent of all 'Italians' (and perhaps as few as 2.5 percent) spoke the national language. For the Piedmontese monarchists who unified Italy, regional differentitaion was the principal obstacle to national development. Fatta l'Italia, dobbiamo fare gli italiani was their slogan: 'Having made Italy, we must now make Italians'. The highly centralized Franco-Napoleonic model was the latest word in admnistrative science. Strong central authority was, they concluded, the necessary remedy for the weak integration of the new nation state.

A few voices called for the establishment of autonomous regional government within the new state. Fearing the reactionary tendencies of the Church and the peasants, as well as the backwardness of the South, however, the majority of the makers of modern Italy (like most of their counterparts in the emerging states of today's Third World) insisted that decentralization was incompatible with prosperity and political progress. The centralizers quicky won the debate. Top local officials were appointed by the national governemnt in Rome. Local political deadlock(or even local dissent from national policy) could lead to years of rule by a commissioner appointed by the national governement. Strong prefects, modeled on the French system, controlled the personnel and policies of local governemnts, approving all local ordinances, budgets, and contracts, often in the minutest detail. Most areas of public policy, from agriculture to education to urban planning, were administraed by field offices of the Roman bureaucracy.

In practice, the rigor of this extreme administrative centralization was somewhat moderated by characteristic Italian political accommodations. To maintain their fragile political support in the nascent parliament, Italy's leaders developed the practice of transformismo, in which patronage deals were struck with local notables. Support for the national governing coalition was bought by adjustments in national policy to suit local conditions (or at least to suit the locally powerful). The prefects, though responsible for controlling local government, were also responsible for conciliating traditional local elites, especially in the South. Vertical networks of patron-client ties became a means of allocating public works and softening administrative centralization. Transformismo allowed local elites and national deputies to bargain for local interests against national directives in return for electoral and parliamentary support. Political channels to the center were more important than administrative channels, but in either case the link to the center remained crucial.

This negotiated, differentiated system of central controls survived de facto throughout the Fascist interlude. Elections, parties, and political liberties were abolished, but the traditional organs of executive power and much of the older ruling class remained in power. Despite the highly centralized formal institutions, the reality of Italian governance embodied a certain implicit responsiveness to local elites. Neverthless, for local policymakers under the monarchy, under Fascism, and for more than two decades under the post-Fascist Republic, all roads led to Rome.

Only after World War II, with the advent of democratic politics and growing grassroots revulsion against extreme centralization, did regionalist sentiment begin to re-emerge. Newly powerful political parties, both the Christian Democrats on the center-right and the Socialists and Communists on the left, had historically opposed the national government and thus generally had argued for greater decentralization. Under their aegis, the new Constitution of 1948 provided for directly elected regional governments.

This constitucional mandate was carried out almost immediately in five 'special' regions, located along the national borders and on the islands of Sicily and Sardinia, areas threatened by separatism and ethnic problems. Creation of the remaining, 'ordinary' regions, containing 85 percent of Italy's population, required enabling legislation, however, and was delayed by intense political resistance.

A wide variety of objectives had been enuntiated by proponents of the new institutions.Populist claimed that regional government would raise levels of democracy, by fostering citizen participation and responsiveness to local needs. Moderates argued that decentralization would increase administrative efficiency. Southerners believed that regional governemnt could speed social and economic development, reducing regional inequalities. (...) Two more years were required for the central government to issue decrets transferring powers, funds and personnel tothe regions, so that the new governments effectively did not open for business until April, 1, 1972. (...)

Our 1976 wave of interviews found our respondents much less confident about the ability of the regions to assert their autonomy. They reported more conflict between center and periphery, and more central control, than they had foreseen six years earlier. Their previous optimism about the new institution's capacity to address urgent social and economic problems was now more restrained, and they were quick to point the finger of blame at foot dragging in Rome.
Naturally, demands for autonomy stood much higher on their agendas now. (...)

Devolution is inevitably a bargaining process, not simply a juridical act. (...)

Responsibility for many aspects of government that touch the lives of ordinary Italians - many of the essential functions that successive national governments had failed to perform - passed into the hands of the regions.

A pratical measure of the importance of the regional government was the resources they now controlled. Thens of thousands of administrative posts were created to serve the new governments and, during the waves of decentralization in the early 1970's, thousands of employees were transferred from the central bureaucracy to the regions. By April 1981, the fifteen ordinary regions accounted for 46.274 administrative personnel, a figure that had grown by 76% percent in the preceeding five years (the five special regions employed another 29.383 persons).

Totally funds available to the regions grew exponentially during the 1970's and 1980's rising from roughly $1 billion in 1973 to roughly $9 billion in 1976, roughly $ 22 billion in 1979, and more than $ 65 billion in 1989, the lion's share of this coming from the central government in the form of general-purpose and special-purpose transfers. (...) By the beginning of the 1990's, nearly one-tenth of Italy's gross domestic product was being spent by the regional governments, only slightly belw the figures of the American states.

But for the better or worse, much of the Italian domestic policy was now regionalized. Regional government had become, in Max Weber's evocative phrase, 'a strong and slow boring of hard boards
." - Robert Putnam, in Making Democracy Work - Civic Traditions in Modern Italy, Princeton, 1993.


Conheci-o, talvez há duas décadas, de forma mais ou menos informal durante um curto período que passei pelo funcionalismo público. Guardei dele a melhor das imagens e tenho podido confirmar, ao longo da vida, que há poucos como ele. Ter um ministro que sabe pensar, ler, escrever e falar decentemente, culto, que domina o inglês, o francês, o alemão, o italiano e o espanhol e que ainda por cima é um tipo que sabe de Direito como poucos, sendo educado, simpático e civilizado, é um luxo nos tempos que correm. Se esse ministro aliar a tudo isso a noção de serviço público e o apego aos valores, à liberdade e à causa da cidadania, estaremos perante um fenómeno a nível ministerial. Dele se espera que coloque a sua nova área no mapa. Fiquei satisfeito por saber que desta vez houve quem acertasse na mouche. Por isso mesmo, desta humilde tribuna, não posso deixar de desejar a José António Pinto Ribeiro os maiores êxitos no Ministério da Cultura. Para um homem claramente acima da média é natural que a fasquia também esteja mais alta. Ficamos todos à espera dos (bons) resultados.

segunda-feira, janeiro 28, 2008


Deram uma prova de abnegação, espírito de luta e classe no embate que os opôs ao Senegal de Diouf na Taça das Nações Africanas. A goleada alcançada permite augurar uma grande campanha. Angola está de parabéns. Com os ânimos refreados os Palancas Negras podem fazer o seu povo sonhar. Ele merece-o.


Tal como se previa, o soba da Madeira veio ao Algarve confraternizar com o régulo local, o presidente do PSD-Algarve e putativo presidente da “Região do Algarve”.

O Dr. Mendes Bota, que andou algum tempo desaparecido das lides políticas, afinal o mesmo durante o qual não exerceu cargos políticos, para, entre outras coisas, amealhar uns cobres num empreendimento que ficou conhecido por realizar obras ilegais pela calada da noite e tomar restaurantes de assalto para correr com os concessionários, alguns levados na sua boa-fé e desconhecedores do que por lá se passava – entendeu agora lançar uma cruzada contra a ASAE.

Fê-lo da forma mais desconcertante possível, chamando à colação Oliveira Salazar e a PIDE, a pretexto de atacar o primeiro-ministro e o Partido Socialista. O Dr. Mendes Bota achou por bem e ajuizado comparar a extinta PIDE à ASAE (Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica) e o governo legítimo de Portugal à ditadura de Oliveira Salazar.

O Dr. Mendes Bota teve a sorte de nunca conhecer a PIDE, nem a ditadura de Oliveira Salazar. Também não foi por isso, como demonstrou em plena Assembleia da República, e pelo tempo que não passou nas cadeias da PIDE, que conseguiu dedicar algum tempo à aprendizagem da democracia.

O Dr. Mendes Bota foi Presidente da Câmara Municipal de Loulé. Durante o seu mandato, por falta de jeito, desatenção, ou como se diz agora, por falta de meios, que é coisa que serve para tudo, permitiu que se cometessem uns quantos desmandos, designadamente em matéria urbanística. Alguns dos beneficiários desse caos até eram seus companheiros de partido. E são ou foram autarcas, gozando ao nível local de uma impunidade que lhes permite actuar como verdadeiros cowboys.

O Dr. Mendes Bota enquanto dirigente local nunca se preocupou em investigar estas fortunas dos seus colegas de partido nem das offshores que estão por detrás deles. Pessoalmente estou convencido de que as suas fortunas mereceriam ser devidamente investigadas. Neste ponto, aliás, a Drª Cândida Almeida, se quiser, poderá contar com o meu apoio e conhecimento nesta matéria para se fazer uma limpeza a Sul.

O Dr. Mendes Bota, que enquanto administrador de um empreendimento algarvio e consultor de empresas se habituou a conviver alegremente com os interesses imobiliários dos seus patrões e a dobrar a cerviz para ir amealhando, manteve-se silencioso e condescendente com tudo aquilo que aconteceu em Armação de Pêra e que ainda recentemente aconteceu nas Dunas Douradas. Seria ele consultor dos empresários? Ele que ainda recentemente saiu em defesa do presidente da Câmara de Vila do Bispo – mais um cuja gestão autárquica deveria ser devidamente investigada – resolveu estabelecer uma grotesca comparação entre a ASAE e a PIDE e um governo constitucional saído de eleições livres e participadas com o governo do Dr. Salazar. A sua comparação é um verdadeiro insulto à inteligência de qualquer cidadão, um insulto à democracia, ao Estado de Direito e à memória de todos aqueles que sofrendo os horrores da censura, da ditadura e da PIDE, lutaram para que uns patuscos e ignorantes, sem verbo nem gramática, se tornassem empresários, autarcas, deputados e dirigentes políticos. Não tivesse ocorrido o fim da ditadura e da PIDE e estou seguro que o Dr. Mendes Bota, com o seu espírito de aforro, subserviência e oportunismo, teria atingido um patamar idêntico ao que hoje tem, mas como membro de uma qualquer câmara corporativa do Dr. Salazar.

O Dr. Mendes Bota esquece-se de que vivemos num Estado de Direito e numa democracia consolidada. Esquece-se de que existem tribunais e autoridades às quais os cidadãos ofendidos se podem queixar dos excessos da ASAE e que estes, para além de sindicáveis, quando causadores de prejuízos podem servir de suporte à responsabilização civil e criminal dos seus autores, coisa que com a PIDE e com os seus homens não acontecia. Nem nunca aconteceu devidamente porque a democracia de Abril foi condescendente, deixando à solta nos partidos do regime democrático muitos dos que deviam estar presos. Deixou-os levar uma vida normal. Não os perseguiu. E ainda bem. O Dr. Mendes Bota não sabe o que isso é porque nunca precisou de sair da sua terra para arranjar trabalho. Ele não sabe, mas as democracias distinguem-se das ditaduras por algumas coisas. Na forma de actuação e também na tolerância e nos exageros.

Ao contrário do que o Dr. Mendes Bota gostaria de poder fazer, ele que nunca deu provas de tolerância para com os fumadores, o regime democrático e o Estado de Direito não excluem cidadãos, não os agrupam por origem social, credo, raça ou local de origem, não os cataloga como sendo de Lisboa, de Loulé ou de Faro, de pretos ou de brancos, de centralistas ou de regionalistas. A democracia é inclusiva. Por isso o Dr. Mendes Bota é hoje presidente do PSD-Algarve, deputado e empresário.

Ao fazer uma comparação tão irresponsável, enquanto vice-presidente do maior partido da oposição, o Dr. Mendes Bota demonstrou, uma vez mais, sofrer de um provincianismo doentio. Daí o seu regionalismo. É claro que hoje lhe convém ser regionalista. Como lhe convém garantir o futuro, nem que seja com este tipo de comparações. Como lhe convém ter o Prof. Marcelo nas suas festarolas, mesmo que depois ranja entre dentes, ou vai suportando o convívio com Pedro Santana Lopes ou com os “meninos bem do Porto” na bancada parlamentar. Por detrás do seu discurso mais recente, o que o Dr. Mendes Bota revelou não foi o seu desprezo pela actuação da ASAE, mas sim o asco que vota a tudo o que é de Lisboa. Com excepção do Sporting é claro, mas isso é lá com ele. Gostos não se discutem e essa será apenas mais uma das suas contradições.

Só que isso não permite ao Dr. Mendes Bota ter uma memória tão curta, demonstrar tanta ignorância e tanta irresponsabilidade. Talvez por isso já se tenha esquecido do que até José António Saraiva, personagem por quem não nutro particular admiração, sobre ele escreveu em 6 de Agosto de 1994. Tavez valha a pena aqui recordar-lhe:

Se a nível superior da classe política – e sublinho superior – a corrupção material não é significativa, já o mesmo não se pode dizer da corrupção moral. Da venalidade. Da troca dos valores pelos interesses. Há um episódio recente que ilustra na perfeição este fenómeno: a renúncia de Mendes Bota aos cargos que ocupava no PSD. Como se sabe, Mendes Bota era deputado europeu e, nas últimas eleições, foi colocado num lugar difícil, acabando por não ser reeleito. Bota deu então uma conferência de imprensa onde fez graves acusações, atacou o presidente do partido e anunciou a demissão de todos os cargos partidários. E, aqui, instalou-se a dúvida: o que teria acontecido se Mendes Bota tivesse sido reeleito? Teria falado na mesma – ou ter-se-ia calado? Partindo do princípio de que Mendes Bota foi sincero, de que disse o que na verdade sentia, por que razão não se demitiu antes das eleições? Por que esperou pelos resultados para falar? Mas o caso de Mendes Bota permite-nos ir ainda mais longe. Permite-nos, por exemplo, perguntar quantos Botas existirão hoje no PSD? Quantos serão aqueles que se mantêm calados apenas porque lhes foram distribuídos lugares no partido ou no Estado? Qual será a extensão da corrupção moral que tomou conta do PSD após nove anos de presença consecutiva e solitária no Poder? É impossível dizer – mas deve ser enorme. (...) Deve começar a ser muito difícil dirigir um partido onde um grande número de militantes não se move já por convicção ou idealismo mas por oportunismo ou por interesse.(...)”.

O texto continua a ter toda a actualidade. O Dr. Mendes Bota esqueceu-se dele. E permite-se fazer declarações como a que fez. Ele que nunca foi deportado do Algarve para outras paragens. E se calhar até deveria tê-lo sido para que a terra pudesse crescer longe da sua asa e os cargos políticos e empresariais da região não fossem infestados por ele, pelos seus familiares e pelos companheiros do partido. O Dr. Mendes Bota nunca teve familiares presos, torturados ou que pura e simplesmente não arranjavam trabalho e que eram obrigados a procurá-lo noutras paragens. O Dr. Mendes Bota não sabe o que é o desemprego porque os telefones estão aí para alguma coisa e há sempre quem queira pagar um favor, uma cunha, um encómio. Quando saiu do Algarve foi porque isso lhe convinha. Fosse para “deputar”, para ganhar protagonismo ou criar uma teia de influências clientelar. Infelizmente, ao contrário de outros algarvios íntegros e de de valor que lutaram contra a ditadura e a PIDE, o Dr. Mendes Bota teve todas as oportunidades para ser um grande político ou um grande empresário, mas nunca conseguiu superar a sua pequenez regional e o melhor que conseguiu foi umas investidas no imobiliário e umas vendas de trapos. Por isso o Dr. Mendes Bota não sabe quem foi Oliveira Salazar ou o que foi a PIDE. As actividades no partido e o controo da sua ascensão retiraram-lhe o tempo para ler, para se instruir.

Percebe-se melhor agora porquê. Ele nunca precisou de aprender. Sorte a dele. Daí que se sinta, vê-se agora, mais à-vontade para criticar a ASAE. Vendo bem, o Dr. Mendes Bota limitou-se a dizer que preferia continuar a fechar os olhos à venda, nas feiras algarvias, de discos, filmes e software pirata, roupa e calçado da candonga, ou a ter os doces de figo e alfarroba e os queijos ao sol e às moscas, ou os restaurantes e bares a funcionarem sem licença adequada, com seguranças ilegais e copos imundos.

O Dr. Mendes Bota, a quem a República e o Estado democrático garantem o direito de dizer todas as asneiras que lhe vêm à cabeça, tinha mil e uma formas de atacar a ASAE, de criticar os seus métodos e a actuação das brigadas. Escolheu de todas a menos séria, a que lhe podia render mais aplausos entre os seus correligionários do partido. Era também a única ao nível dos dichotes habituais do seu convidado da Madeira. O populismo e a demagogia são mesmo assim. Mas como não tem a argúcia de Alberto João Jardim, o Dr. Mendes Bota limitou-se, na sua patusca esperteza, a dar mais uma prova da sua confrangedora ignorância, da sua falta de estatura política, do seu servilismo político e do oportunismo que orienta todos os seus mais pequenos passos. Com o seu ar balofo, com um barrete branco na cabeça e um avental, ele dava o perfeito chefe de cozinha de um rodízio na Estrada de Quarteira. O Prof. Cavaco Silva e o Dr. Pacheco Pereira é que o toparam bem.

P.S. Que fazia Fernando Negrão no meio daqueles dois?

sábado, janeiro 26, 2008


Aqui está um bom ponto de partida antes de se avançar para uma regionalização apressada, impensada e despropositada. Uma vez que este é um tema a inscrever na agenda política para os próximos tempos, este blogue vai começar a dar alguma atenção ao assunto tendo por base a ideia de que só interessa aos portugueses aquilo que possa contribuir para melhorar a sua vida, elevar os padrões de cidadania e acrescentar alguma coisa à qualidade da nossa democracia. Por isso mesmo, a primeira questão a que procurarei dar o meu contributo partirá do título do recente artigo de Andy Pike (University of Newcastle), Andrés Rodriguez-Pose (London School of Economics) e John Tomaney (University of Newcastle) publicado na revista Regional Studies, n.º 41, de Dezembro de 2007: "What kind of local and regional development and for whom?".


"Devido à gravidade das declarações proferidas pelo bastonário da Ordem dos Advogados e a repercussão social das mesmas, determino a abertura de um inquérito para investigação de tais factos" - Pinto Monteiro, Procurador-Geral da República.
Era o que eu temia. Ainda agora chegou e já começou a disparar para todo o lado. Oxalá que as balas não façam ricochete. Senão acontece-lhe como ao peixe: morre pela boca.


(foto de leblogauto.com)
Melbourne, 26 de Janeiro de 2008, vencedora do Australian Open

sexta-feira, janeiro 25, 2008


Ontem, no jornal da noite da SIC e no último jornal da Sic Notícias, foi possível acompanhar os diálogos travados ao telefone entre uma operadora do INEM, um bombeiro de Alijó, a médica de uma dessas viaturas super-rápidas e super-eficientes do ministro da Saúde e um bombeiro de Favaios. Os diálogos em causa deviam ser objecto de cuidada análise por Correia de Campos e o líder da oposição para que possam perceber por que razão neste país poucas são as coisas que funcionam. As conversas, com evidentes laivos de surrealismo (por exemplo nas frases "Valha-me Deus, estou lixada", "E agora o que é que faço, é preciso lá ir eu?", "Não sei como é que lhe vou dizer", entre outras) podem ser vistas, e em especial ouvidas, aqui. O que me espanta é como é que com uma organização destas ainda haja alguma coisa que funcione neste país.


Os artigos de Ferreira Fernandes e Vasco Pulido Valente nas edições de hoje do DN e do Público. A continuarem a malhar assim no ceguinho, ainda vamos ter outro congresso antes de 2009.


Este post sobre o Ministério do Interior, de José António Barreiros, recém-eleito para presidir ao Conselho Superior da Ordem dos Advogados, publicado no seu blogue A Revolta da Palavras, e que diz tudo sobre o pensamento do líder do PSD. Pelos vistos também não será por ali que Luís Filipe Menezes encontrará apoio para integrar o Ministério da Administração Interna no Ministério da Justiça. É cada bojarda que até dói!

quinta-feira, janeiro 24, 2008


Eliminou com toda a limpeza Rafael Nadal e vai encontrar Roger Federer na final do Australian Open. Chama-se Jo-Wilfried Tsonga e joga que se farta. Eu aposto nele.


Obteve a confiança do Parlamento com 326 votos a favor e 275 contra, mas é pouco provável que obtenha igual resultado no Senado. A Itália começa a preparar-se para eleições. Vem aí o 60º Governo depois de 1946. Não há nada como manter as médias.


O ministro Correia de Campos deve ter ficado satisfeito ao ouvir ontem o presidente da Câmara de S. Pedro do Sul dizer o que disse sobre o protocolo que assinou com o ministério de Saúde. Os elogiosos comentários que lhe teceu, sublinhando a forma como aquele exerce a política no ministério que dirige, não ouviu Correia de Campos às bases do seu partido. António Carlos Figueiredo, mais um presidente de câmara do PSD, mostra assim a distância a que a maior parte dos autarcas deste partido está do seu próprio líder e das manifestações delirantes verificadas em Anadia.


A propósito da colaboração da Cunha Vaz & Associados com o Grupo Parlamentar do PSD, Santana Lopes - um comunicador nato - sentiu necessidade de vir esclarecer que os rapazes do António só serão bem recebidos se forem tratar do arquivo, da documentação e da base de dados, creio que as tarefas que o filho de Santana Lopes desempenhava antes de se demitir. Quanto ao resto, o ex-primeiro-ministro não podia ser mais explícito:

«Devo esclarecer que ninguém, indivíduo ou empresa, aconselhará seja a mim, seja a outro membro da direcção ou outro deputado do grupo parlamentar do PPD/PSD sobre comunicação

Segundo o Diário de Notícias, Santana ainda esclareceu que lhe foi apresentada uma «proposta de prestação de serviços após uma reunião com o secretário-geral», mas que «não haverá nenhuma assessoria, nenhum aconselhamento». Para ele, «a política é com os políticos, ou seja, é connosco». Nem mais. O Ribau que se cuide, terá pensado ele.


O artigo de hoje do Pedro Lomba no Diário de Notícias com o título Menezes contra Menezes. Para não pensarem que eu tenho alguma má vontade contra o homem. Eu posso ser suspeito, mas o Lomba é insuspeito.

quarta-feira, janeiro 23, 2008


Com a entrada da Cunha Vaz & Associados no parlamento, Luís Filipe Menezes passa a ter, a partir do exterior, um controlo profissional sobre as actividades do seu grupo parlamentar. Quando não se consegue gerir a casa, o melhor mesmo é pagar a quem sabe. Vamos é a ver se quando levar o mais que previsível chuto - é só uma questão de tempo, "está escrito nas estrelas" - não vem depois atribuir as culpas aos homens do marketing.


Depois da recente decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto de suspender o Despacho n.º 9886-A/2007 e o Despacho 12977/2007, de 18 de Junho, do Director Regional da Agricultura e Pescas do Norte, publicado no DR, 2.ª serie de 25 de Junho de 2007, ordenando o regresso aos locais de trabalho de mais de 60 trabalhadores, quer-me parecer que ou José Sócrates se despacha com o raio da remodelação e coloca Jaime Silva rapidamente no quadro dos supranumerários, corrigindo o rumo da Agricultura, ou ainda corre o risco de ficar com a casa cheia de emplastros.


E sobre Anadia, vale a pena ler este post publicado no Saúde SA: Disgusting (2)


... de ler ou de ouvir Pacheco Pereira comentar a entrevista de ontem do ministro da Saúde ao jornalista Mário Crespo. Depois dos elogios que lhe teceu a propósito dos episódios com o BCP e da eventual intervenção do Estado, não deve ser fácil dizer agora alguma coisa sobre o "baile" que ele ontem levou. Não cheguei a perceber se o Mário Crespo faz parte da campanha de Anadia, se tem dificuldade em perceber ou se é, larga maioria, mais um dos que só vendo o que quer, qual Odete Santos, está convencido de que faz serviço público.

segunda-feira, janeiro 21, 2008


Durante anos, após os tempos loucos da reforma agrária, que culminaram com a desertificação dos campos e o abandono da terra, houve quem começasse a dizer que o problema era o atraso na construção da barragem do Alqueva. Alguns anos volvidos e depois de muitos milhões gastos, o Alqueva ficou concluído e verifica-se que o Alentejo começa finalmente a produzir. Só que em vez de serem agricultores e empresários portugueses a investir e a retirar o proveito, quem mais investe e colhe os merecidos frutos é gente voluntariosa e trabalhadora que veio de Sevilha, de Granada, de Córdova ou de Madrid. As terras outrora secas e improdutivas afinal produzem e produzem muito. Uma reportagem da RTP emitida no passado dia 19, mostrou-nos o Alentejo da empresa Franlabora. Chegaram a Portugal em 2002 e de então para cá compraram terra, investiram mais de 70 milhões de euros e tornaram rentáveis mais de 7200 hectares de olival. Diz o responsável do grupo em Portugal que vão continuar a investir e que dentro de 10 anos esperam ser o maior produtor de azeite do mundo (!). A única dúvida que me assaltou foi se a culpa de nenhum empresário português ter feito o mesmo e nesta mesma escala se ficou a dever à interioridade, ao atraso no processo de regionalização ou a uma manobra de Lisboa destinada a desacreditar os agricultores e empresários nacionais. Responda quem souber.


Dela sabe-se que para além de ser uma supermodelo paga a peso de ouro, é mal educada, insulta tudo e todos e já cumpriu pena por maltratar o pessoal que para ela trabalha. Algo que o ditador venezuelano, que com a chancela de Mário Soares garantiu mais uns milhões à Galp, perdoará em nome dos pobres e dos deserdados do seu país. Só isso justifica a pequena transcrição que com a devida vénia faço de um magnífico texto de Manuel Rodriguez Rivero (El Pais, Babelia, 19/01/08, p. 25):

"Pienso que si se confirmara el romance de Naomi Campbell (Streatham, Londres, 1970) y Hugo Chávez (Sabaneta, Barinas, 1954), tal relación no debiera ser entendida como muestra de la proverbial atracción que, de acuerdo con el tópico falócrata, determinadas mujeres experimentan por los hombres poderosos, sino como prueba irrefutable de que, en efecto, en nuestro mundo todo es posible. Absolutamente todo: que monseñor Garcia-Gasco protagonice un outing en la plaza de Colón, que el senyor Carod-Rovira se postule a la alcadía de Madrid, o que la señora Clinton contrate al castizo cantautor Sabina como estrella de su campaña. Cualquier cosa. La perspectiva de que la deseable supermodelo, por cuyo sistema circulatorio fluye sangre jamaicana y china, pudiera un día yacer en los brazos (o cabalgar sobre el rollizo abdomen) del caudillo populista e petrolero insulta mi sentido del decoro, ya vapuleado por esta contemporaneidad chabacana en la se me hacen verdad aquellos sabios versos del llorado Ángel González: "Para vivir un año es necesario / morirse muchas veces mucho".


... está bem espelhado no destaque que o El Pais lhe deu na sua edição do passado sábado: menos de 1/4 de página, no canto inferior direito de uma página par, a página 16 do 1º caderno. Se dúvidas houvesse sobre a importância que os espanhóis lhe conferem, este simples facto diria tudo.


O relatório da Polícia Judiciária que investigou a corrupção entre 2002 e 2005 e que será divulgado publicamente esta semana, revela que 42% dos processos em investigação respeitam à administração local. Para quem está com tanta pressa em avançar para a regionalização seria bom que antes de promover o processo pensasse na melhor forma de encontrar mecanismos que permitam eliminar este gravíssimo problema das nossas autarquias.


O deputado Mendes Bota, que é assim uma espécie de Alberto João Jardim do Algarve, resolveu investir contra a ponderada e reflectida intervenção de Pacheco Pereira no último programa da Quadratura do Círculo (SIC-N) e vai daí resolveu atacar o comentador e seu colega de partido. Entre outras boutades, ou melhor dizendo "botadas", acusou Pacheco Pereira de "anti-regionalismo cego e primário" e para exemplificar como aquele estava errado não se lembrou de mais nada do que dizer que é "falso que a Regionalização signifique a criação de uma nova classe política", uma vez que "de acordo com a Lei de Bases da Regionalização em vigor, serão criadas 5 Juntas Regionais, de cinco elementos cada". Em abono da sua tese, o inefável Dr. Mendes Bota veio dizer que "isso significará a extinção de 18 governos civis e cinco Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional, cada qual com 3 ou 4 membros nas respectivas administrações, sem falar numa corte infindável de responsáveis distritais de diferentes serviços públicos" e que as assembleias regionais serão compostas por membros que não exercerão a profissão de deputados regionais, "funcionando no regime de senhas de presença."

Apesar de já haver para aí muito boa gente a esfregar as mãos só de pensar no regime das senhas de presença, seria bom que o Dr. Mendes Bota se recordasse de meia dúzia de factos que contrariam a sua tese e que convém aqui referir-lhe:

1 - 5 Juntas Regionais com 5 membros cada dará qualquer coisa como 25 membros de governos regionais. Cada um destes membros terá, pelo menos, 1 chefe de gabinete, 2 secretárias, 1 contínuo, 3 assessores e 2 motoristas, ou seja, cada gabinete terá no mínimo 10 membros (contando com o membro do governo regional). Este número a multiplicar por 25 dará qualquer coisa como 250 pessoas só para gabinetes. Quanto é que isto vai custar? Será que o Dr. Bota já fez as continhas?

2 - Que ordenados estará o Dr. Mendes Bota a pensar dar aos membros dos governos regionais? Ou não irão receber ordenados e funcionarão também no regime de senhas de presença?

3 - Naturalmente que algumas das tarefas que são hoje desempenhadas pelos governos civis terão de continuar a ser desempenhadas por alguém, como por exemplo a emissão de passaportes, pelo que o pessoal adstrito a esta função, mesmo que sendo reduzido, continuará a ser necessário. A alternativa seria acabar com a emissão de passaportes nas regiões. Por isso mesmo, o Dr. Bota poderia começar por pegar no Governo Civil de Faro e explicar, funcionário a funcionário, atribuição a atribuição, como pretende alocar tais pessoas e atribuições na futura região. É um exercício simples e que poderá ajudá-lo a fundamentar futuras intervenções.

4 - Depois, o Dr. Bota, com o típico á-vontade de quem está habituado a discursar para o povo do calçadão da Quarteira, esclareceu que conta extinguir as CCDR e os lugares dos membros das respectivas administrações (3 ou 4 diz ele). Ainda bem que vai, mas já agora esclareça também a que entidade vai depois cometer as tarefas que são por elas actualmente desempenhadas? É aos 3 ou 4 assessores que cada membro dos governos regionais irá ter? Ou pura e simplesmente as funções das CCDR serão extintas e as câmaras passarão a decidir a seu bel-prazer? E que vai fazer com o pessoal actualmente ao serviço das CCDR? Vai colocá-los no quadro dos descartáveis ou é com eles que vai preencher os lugares nas assembleias regionais?

5 - Como se os argumentos utilizados não fossem já de si medíocres, o Dr. Mendes Bota veio ainda dizer que as assembleias regionais funcionarão em regime de senhas de presença e com pessoas que não exercerão a profissão de deputados regionais. Convirá por isso mesmo e antes de mais, saber qual o valor que vai ser atribuído a cada uma dessas senhas de presença, quantos deputados vai ter cada assembleia regional e quantas vezes, em média, estarão a pensar reunir para que se possa ter uma ideia de quanto isso vai custar aos contribuintes "regionais".

6 - O Dr. Mendes Bota também se esqueceu de explicar como se irão conciliar os interesses próprios dos deputados em part-time das assembleias regionais com o interesse destas e das regiões que será suposto servirem, designadamente, em matéria de registo de interesses. É que se está a contar com as actuais "classes políticas regionais" para preencher estes lugares, quer-me parecer que os conflitos de interesses serão mais que muitos tendo presente a proeminência de alguns interesses locais em matéria de construção civil e promoção imobiliária e turística. Basta pensar no que aconteceu ali para os lados de Almancil, com alguns empreendimentos turísticos entre Vale de Lobo e o Ancão, que não são de todo desconhecidos para o Dr. Mendes Bota, visto que ele integrou a administração de um conhecido empreendimento local e consta que depois terá prestado consultadoria a outros. Isto será fundamental para se perceber como é que estas coisas funcionarão na futura região do Dr. Mendes Bota.

7 - O deputado Mendes Bota que critica a infindável corte de responsáveis distritais pelos actuais serviços públicos, e com razão, também não esclarece se as funções que são actualmente desempenhadas por estes passarão a ser desempenhadas pelos membros dos governos regionais, nem qual a solução que propõe para acabar com os directores regionais da Agricultura, da Economia e de todos os demais serviços hoje existentes. Acabar não custa, mas seria bom saber a quem serão atribuídas as competências destes? E que vai ele fazer com os funcionários? Passarão as funções das direcções regionais a ser desempenhadas pelos membros dos governos regionais? Com gabinetes de meia dúzia de membros? Ou será mais um assunto para Lisboa resolver?

8 - Dizendo o deputado Mendes Bota que a regionalização não irá criar uma nova classe política, presume-se que irá contar com a actualmente existente e que já hoje pulula pelos órgãos autárquicos e preenche os órgãos regionais dos partidos políticos. Logo, também seria bom que esclarecesse como está ele a pensar preencher os lugares que as regiões irão criar, designadamente, se irá utilizar os que já fazem parte dos órgãos existentes e se o regime de senhas de presença irá permitir a acumulação de lugares nas assembleias municipais ou nas vereações com as presenças nas assembleias regionais. É que não havendo criação de uma nova classe política regional quer-me parecer que vamos ter para aí muitos deputados regionais "batman" - o Dr. Mendes Bota certamente que deverá estar lembrado de alguns colegas seus de partido que se especializaram em ajudas de custo e bilhetes de avião. A acumulação de senhas de presença é capaz de já dar um bom ordenado, não?

9 - Finalmente, uma pequena dúvida que ele poderá esclarecer é se na futura região as autarquias do PSD no Algarve continuarão a recorrer, à custa do contribuinte, às grandes sociedades de advogados de Lisboa ou se passarão a recorrer aos escritórios locais. Nestas coisas não há nada como começar pela própria casa.

O deputado Mendes Bota perdeu mais uma boa oportunidade para se distanciar do líder do seu partido, dando mostras de, ao contrário de Menezes, saber pensar antes de falar. Mas, infelizmente, o complexo regionalista e o sentimento de inferioridade em relação "aos de Lisboa" já lhe toldaram o discurso. Daí que se torne mais fácil atacar o seu companheiro de partido e oportunisticamente elogiar Jorge Coelho. Seria bem melhor que o Dr. Mendes Bota começasse por se preocupar em responder a algumas dúvidas que a sua posição suscita e em meter na ordem as autarquias do seu partido no Algarve (com excepção de Tavira, é claro). Talvez por ultimamente passar muito tempo em Lisboa, o Dr. Mendes Bota desconhece que em muitas autarquias, a começar por Loulé, um simples requerimento com o pedido de emissão de uma certidão a perguntar se determinada obra foi licenciada leva meses a ser despachado, quando é, e é tratado por algumas luminárias locais como se de um empreendimento turístico se tratasse, perdendo-se mais tempo do que se o requerimento tivesse que ir a despacho a Lisboa. Se quiser exemplos poderei dar-lhe uma boa mão cheia para se entreter nos seus jantares tertulianos com o Dr. Seruca. Sempre teriam um tema de conversa útil e poderiam pensar na melhor forma de agilizarem o andamento dos processos e eliminarem burocracias e salamaleques antes de pensarem nos lugares que haverá para distribuir na futura região.

sexta-feira, janeiro 18, 2008


Não percebo por que é que na sondagem do Corta-Fitas para a remodelação só deixam os internautas votar num único ministro. Eu bem quis votar em vários, mas recebia invariavelmente a mesma mensagem a dizer-me que já não podia votar. Ora, se só se pode mudar um de cada vez, e ainda por cima não podendo ser no mesmo computador, como é possível remodelar alguma coisa? Não é prático com os nomes que lá puseram andar a saltar de computador em computador. É que ainda são uma data deles!


Justificava-se que o membro do Governo que tem a responsabilidade do Turismo tivesse uma força acrescida, um ministro, que pode não ter exclusivamente a pasta do Turismo, mas que tenha o poder de ser o ministro da Presidência, próximo do primeiro-ministro
Luís Filipe Menezes, Correio da Manhã, 18/1/08

quinta-feira, janeiro 17, 2008


Uma notícia do jornal Süddeutsche Zeitung, também referida no Bild e retomada pelo Corriere della Sera, dá-nos conta de que um rapaz alemão de 16 anos e o seu guarda irão passar 9 meses numa pequena aldeia de Sidelnikovo, na Sibéria. O jovem conhecido por ser particularmente violento, tendo agredido colegas de escola, professores e a própria mãe, vai ter agora de passar por um difícil processo de reeducação num local ao qual só se pode aceder de carro ou a pé. Espera-se que com isso, depois de nove meses em condições extremas, num regime que o obrigará a andar 2,5 km por dia para ir às aulas, sem internet, televisão ou telefone, e a preparar o fogo para se aquecer, o jovem possa regressar à Alemanha em condições de reiniciar uma nova vida e de inserir socialmente. O assunto já chegou a Angela Merkel e motiva um importante debate. Sabendo-se quie a deliquência juvenil é hoje um grave problema em Portugal, e a avaliar por aquilo que tenho visto nos últimos anos com alguns jovens da nossa praça, quem sabe se não seria esta a solução para uns quantos delinquentes menores que andam por aí a roubar carros e telemóveis, a queimar os sem-abrigo, a assaltar bombas de gasolina e a grafitar tudo o que é parede, se inserirem socialmente? Na Alemanha, que é tudo menos um país subdsenvolvido ou retrógrado, essa solução foi adoptada por, entre outras coisas, poupar dinheiro ao Estado. Estou certo que uma medida destas e os - 55º C que neste momento se fazem sentir lá pelos Urais também podiam dar uma ajuda.


Diz a Lusa que "o Governo aprovou hoje a resolução sobre o Tratado de Lisboa da União Europeia, documento que segue agora para ratificação no Parlamento, mas que o executivo diz pretender que seja também amplamente debatido na sociedade civil". Se é assim como a LUSA diz pergunta-se para que serve o debate depois da decisão. A não ser que se pretenda seguir um caminho parecido com o da OTA, ou seja, decide-se primeiro a localização do aeroporto e depois debate-se e estuda-se a hipótese Alcochete. Mas será que faz algum sentido dizer não ao referendo e depois falar em amplo debate? Ou admite-se vir a fazer o referendo no final do debate? Esta gente endoideceu ou será que já chegámos à Madeira?


No rescaldo da moção de censura do Bloco de Esquerda fica a inédita declaração de voto dos deputados do PSD eleitos pela Região Autónoma da Madeira. Guilherme Silva, Correia de Jesus e Hugo Velosa, disseram que teriam votado a favor se não fosse a disciplina partidária. Em causa estaria, segundo eles, a "atitude hostil do Governo socialista em relação à Madeira". A isto se chama misturar alhos com bugalhos. O normal ali para aqueles lados.


Agora que o Luiz Pacheco se foi embora, o Corriere della Sera resolveu recordar aos seus leitores que a partir de 23 de Janeiro estará em Milão a grande mostra de fotografias transgressivas de Joel Peter Witkin, Jan Saudek, Massimo Listri e Giustino Chemello (Palácio Real) e a exposição do barão Wilhelm von Gloeden (Palácio das Regiões). Ao mesmo tempo, aproveitando o início do Verão austral, resolveu brindar-nos com um calendário para 2008 que vem mostrar que na Argentina também se fazem calendários para rivalizar com os da Pirelli e que há algo mais para além de futebol e tango.

quarta-feira, janeiro 16, 2008


O debate da moção de censura contra o Governo, apresentada pelo Bloco de Esquerda e a propósito da negação do referendo ao Tratado de Lisboa, revelou que atingimos o grau zero da política nacional. A indigência argumentativa foi o que mais marcou a sessão de hoje. Dizer que devíamos estar muito satisfeitos por termos um tratado com nome de Lisboa como mais uma razão para evitar o referendo, ou dizer que o novo tratado - uma verdadeira manta de retalhos, confusa e ininteligível para qualquer cidadão normal - é uma coisa completamente diferente da Constituição Europeia preparada por Giscard d'Estaing, são tão maus argumentos como dizer que a apresentação da moção se justifica por o Governo estar a "abafar o país", que a não realização do referendo seria uma "conspiração contra a Europa" ou que era em nome da Europa que o BE iria votar. Este último, conhecendo-se as suas posições, denota mesmo alguma falta de seriedade, coisa a que também nos vamos habituando quando se trata de política nacional mas com a qual não nos conformamos. O panorama é, pois, desolador, atinge todas bancadas por igual e a ele também não escapa o sistema de voto electrónico da Assembleia da República. A hilariante cena da votação, com um deputado do CDS a chamar a atenção do presidente do parlamento para a troca de votos com o PCP, o sistemático mau funcionamento do quadro e os risos provocados nas bancadas não deixam de ser um sinal do estado de degradação a que as coisas chegaram lá para os lados de S. Bento. Os risos e gargalhadas dos senhores deputados em razão de mais uma falha tecnológica são o espelho da triste imagem que deixaram depois de tão pobre debate. A não ser que se estivessem a rir de si próprios. Mas se era isso, ainda que tal atitude pudesse demonstrar um resto de clarividência, não me parece que seja grande contributo para reaproximar a política dos cidadãos. De qualquer forma, só eles poderão dizer de que se riam. Jaime Gama merecia dirigir uma assembleia de outro calibre.


"Santos Ferreira alcança uma vitória sem brilho, ensombrada por uma acção política mais forte do que o esperado e pela existência de uma solução alternativa, encabeçada por Cadilhe. Cadilhe perde, mas garante o aplauso (no sentido literal do termo) dos presentes na reunião, muito em particular dos pequenos investidores que votaram nele" - Cristina Ferreira, in Público

E eu que pensava que um resultado de quase 98% numas eleições participadas por mais de 70% dos detentores do capital do banco, com duas listas concorrentes e uma fortíssima atenção mediática iria conferir alguma confiança, conforto à instituição e brilho ao resultado. Afinal os aplausos é que eram importantes.


No rescaldo da assembleia geral do BCP, o senhor 2%, Miguel Cadilhe, veio dizer que o resultado fora fantástico e que todos os objectivos da sua lista, como se sabe uma lista "independente", foram alcançados. Se os míseros 2,14% que essa lista obteve foram motivo para tanta satisfação, que diria ele se tivessem ganho a presidência do banco?

terça-feira, janeiro 15, 2008


Carlos Santos Ferreira obteve um resultado esmagador nas eleições para os órgãos sociais do Banco Comercial Português. Para além dos óbvios méritos pessoais do vencedor, importa sublinhar que esta é uma vitória dos accionistas do BCP. Derrotados? Também os há e um deles não é Miguel Cadilhe que prestou um excelente serviço aos accionistas do banco. Os derrotados, esses, estão neste momento a preparar-se para digerir um "repasto", como diria o inefável presidente do PSD Algarve, em Monchique. Oxalá não lhes seja indigesto.


Os jornais económicos noticiam que João Amaral Tomaz, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, vai deixar o Governo, descontente com os atrasos na reforma da Justiça. Não sei se será mesmo por isto ou por simples cansaço e desgaste, mas esta é uma baixa importante. Enquanto membro do governo, Amaral Tomaz deixa uma imagem de seriedade, competência e dedicação à causa pública. Num país em que a maior parte dos que aceitam desempenhar funções públicas mal remuneradas só o fazem por necessidade de protagonismo, promoção social e como alavanca para cargos mais rentáveis, a imagem que este homem deixa não pode deixar de impressionar. E é quanto basta para que lhe estejamos reconhecidos. Espera-se que José Sócrates desencante alguém à altura da substituição.

segunda-feira, janeiro 14, 2008


No passado sábado, o secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP) esteve em Anadia. Foi até lá para dar o seu apoio "à luta do povo de Anadia" contra o encerramento das urgências e do "seu" hospital. Aproveitou para fazer um discurso inflamado contra as políticas "neo-liberais" do ministro Correia de Campos e recordou a luta de outras populações contra o encerramento de hospitais, maternidades e urgências determinadas pelo ministro da Saúde, incluindo a de Elvas que hoje goza o prazer de ver as suas mulheres parirem em Badajoz. O "comício" culminou com um forte e apertado abraço ao presidente da Câmara Municipal de Anadia, o "Prof." Litério Marques. Há dias, nesse mesmo local estivera o presidente do PSD, Luís Filipe Menezes, exactamente para o mesmo efeito.

Eu já tinha reparado que, aos poucos, depois da expulsão dos comunistas que destoavam, o PCP caminhava para a sua restalinização. Primeiro foi a substituição de um quadro como Carvalhas por operário como Jerónimo, depois seguiram-se as declarações de Bernardino Soares e a promoção de uns jovens fiéis do aparelho nascidos depois do 25 de Abril; mais recentemente foi a substituição incompleta de uns quantos deputados do seu grupo parlamentar para efeitos de "renovação", como aconteceu com Odete Santos e um ex-autarca alentejano, a que se seguiu depois o episódio Luísa Mesquita e, mais recentemente, a luta contra Correia de Campos e o subtil afastamento da liderança da CGTP, em vias de confirmação pela sua não recandidatura, de Carvalho da Silva. Quem tiver acompanhado a forma como as coisas foram evoluindo já não duvidará do que se está a passar.

Mas o que é deveras notável é que Jerónimo de Sousa e os seus camaradas do partido não só continuem a pensar que o muro de Berlim ainda não caíu, como, ao mesmo tempo, sejam capazes de assegurar um combate político contra Sócrates tendo ao seu lado, pois, é isso mesmo, na mesma trincheira, o PSD de Luís Filipe Menezes, o tal líder que em Julho dizia que nunca faria alianças com o CDS/PP e que agora escancarou as portas a um entendimento com o PP de Paulo Portas.

Aquele sentido abraço entre Jerónimo de Sousa e o "Prof." Litério Marques, efusivamente aplaudido pela populaça, diz tudo sobre o PSD actual e o PCP de Jerónimo de Sousa: o que os une não é, efectivamente, o interesse público ou uma causa comum em defesa das populações. O cimento que selou o abraço entre ambos foi o populismo puro e duro que hoje já não distingue Luís Filipe Menezes de Jerónimo de Sousa ou estes dois de Paulo Portas. Tudo serve para mobilizar as populações contra o governo de Sócrates desde que sirva para atacá-lo e daí seja possível retirar dividendos políticos a curto prazo para os respectivos partidos, criar instabilidade e marcar pontos contra Correia de Campos ou qualquer outro ministro. A conjuntura política e o discurso aproximou-os.

Manifestações como a do passado sábado constituem um atentado contra a democracia, subvertem o seu espírito, geram a confusão no eleitorado e não aproveitam a ninguém. Mas para eles isso pouco importa. O importante era mostrar a todo o país o efusivo abraço entre Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, e o presidente de câmara reeleito pelo PSD, com maioria absoluta, numa autarquia onde o PCP não conseguiu eleger um único vereador nas últimas eleições autárquicas.

Por isso mesmo, também, é que aqueles que antes atacavam Sócrates - e eu não gosto do homem - por ter uma licenciatura obtida numa universidade de pergaminhos muito duvidosos, com umas provas feitas por correspondência no intervalo da política, dizendo que nem sequer podia usar o título de engenheiro, são os mesmos que agora abraçam e aplaudem o "Prof." Litério Marques".

"Prof." sim senhor, que o homem até podia ser um professor doutor, como eu estava convencido depois de ouvir toda a gente chamar-lhe "Professor", dele assim ter sido tratado pela madame Fátima Campos Ferreira e de eu ler a página oficial do Município da Anadia. Mas havia logo de vir o Povo Livre lixar isto tudo. Então não é que a edição n.º 1220, de 3 de Julho de 2000, publica uma lista de candidatos do partido e nela inclui o "Prof. Litério Marques"? Afinal o homem não é um cidadão habilitado por um grau académico para usar o título de "Professor", mas antes um honrado professor do ensino básico?

Como diria o outro, "chapéus há muitos". É certo que também podiam ser palermas ... ou outra coisa qualquer..., bom, é melhor ficar por aqui ou ainda acabo a falar na ASAE.

sexta-feira, janeiro 11, 2008


Graças a ele, em Janeiro de 1988, depois da célebre vitória da Nova Zelândia sobre a França na Taça do Mundo de Rugby, no ano anterior, descobri o Monte Cook. E a magnífica visão que se alcança do Hermitage. Foi também graças a ele que alguns meses depois avistei pela primeira vez Monte Evereste e vi a noite transformar-se em fogo no cume fumegante que vislumbrei numa fria manhã de Novembro. Antes disso já me tinha comovido com a majestosa imagem do nascer do dia no Annapurna, na vertente ocidental dos Himalaias, e ao ver a sombra deste reflectida num calmo lago de Pokhara. Fiquei há pouco a saber que um dos meus heróis deixou-nos. Logo hoje 11/1/2008. Não sei se ela sabia que eu vira o Evereste em 22/11/88 e que estes números tem um significado mágico para mim. Mas isso também não é importante. Sir Edmund Hillary partiu silencioso depois de nos ter dado uma lição de vida, de humildade e de esperança. E se Deus é grande, certamente que Ele lhe terá reservado, lá no Olimpo onde nos protege, um lugar com vista para Sagarmatha. Eu só tenho que agradecer-lhe o que me deu a conhecer e humildemente curvar-me perante o seu exemplo.


Segundo divulga o Observatório do Algarve, prepara-se, finalmente, a aprovação do protocolo para desenvolvimento da zona ribeirinha de Faro. A construção de uma marina de luxo, que substitua a superlotada doca, permitindo a atracação de veleiros e as entradas e saídas independentemente da maré, a construção dos hóteis de que a cidade está tão carenciada e de uma zona de lazer e de habitação para a zona do cais comercial, estão na calha. O projecto abrangerá toda a zona que vai do Bom João ao Patacão, numa área de 28 hectares e com custos que ascenderão aos 400 milhões de euros. Para estes, a autarquia conta com a iniciativa privada e espera-se que, também, com a colaboração da GALP e da BP no sentido de permitirem a mudança dos feios cilindros de combustíveis para um local mais apropriado. É o primeiro passo para virar a cidade para a ria Formosa. Se Faro pretende ser a capital do Algarve e do turismo nacional, terá de ser capaz de assumir essa singularidade através de iniciativas realistas mas arrojadas. Pelo meu lado, só desejo que José Apolinário seja capaz de se rodear de pessoas com mundo, visão, bom gosto, capacidade e conhecimentos, que não sofram de regionalite aguda e assumam o projecto com sentido prático, sem complexos de inferioridade ou a habitual e burocrática paroquialidade que transformaram Faro num buraco autárquico e numa cidade feia e suja. Chega de lojas de trapos, de prédios coloridos, de ruas cheios de dejectos e de marquises horríveis. Os exemplos da Quarteira ou da marina de Albufeira também deverão servir para alguma coisa.

quinta-feira, janeiro 10, 2008


Eu diria que sim. Depois de terminado ciclo da presidência da União Europeia, dos cumprimentos de Ano Novo ao Presidente da República, de rejeitado o referendo ao novo tratado de Lisboa, de anunciada a alternativa Alcohete para a construção do futuro aeroporto de Lisboa, das declarações de Teixeira dos Santos e de inaugurado o novo modelo de debates no parlamento, parece que está no timing certo a entrada da remodelação. Há ministros visivelmente desgastados, há outros que anseiam por desaparecer, ainda há mais alguns sem jeito para a função e outros mais que nunca deveriam ter chegado a tomar posse num governo de maioria absoluta do Partido Socialista. José Sócrates tem agora a oportunidade, depois de algumas declarações e decisões menos felizes, a pior das quais até nem terá sido a relativa ao referendo, em relação ao qual seguiu a marcha, no que denotou alguma falta de virilidade política e acomodação, de proceder a uma remodelação rápida e cirúrgica. Sem ela terá muita dificuldade em fazer esquecer insucessos e contradições recentes e colocar-se-á a jeito para a oposição. Impõe-se por isso a correcção do rumo, um refrescamento das caras e da agenda política e o relançamento de algumas metas e promessas (isto é que é pior!) aparentemente esquecidas. O tempo urge e o país não pode esperar.


... é coisa que não falta ao ministro Mário Lino. Depois de ter engolido todos os "jamais" (leia-se em francês de Alcochete) que proferiu, vai agora ter que defender o novo aeroporto na margem sul com a mesma convicção com que defendeu a OTA. Demitir-me eu? Naaaão!


1 - Haverá alguma relação entre o artigo publicado no Público em 23 de Setembro de 2005, assinado por José António Cerejo, sob o título "12 milhões pagos pelo Estado em 2001 - Escritório de Lamego, Costa e Vitorino conseguiu indemnização para um cliente que tinha sido recusada por Cavaco Silva" e aquele que hoje foi publicado no mesmo jornal pelo mesmo jornalista?

2 - Quais foram as consequências da notícia anteriormente publicada?

3 - Tratando-se a Diraniproject - SGPS de uma sociedade anónima por acções, nominativas e ao portador, e não tendo o jornalista falado com o visado na notícia de hoje, como chegou ele à conclusão de que as participações societárias do advogado António Lamego são de 99,2%?

4 - O jornalista José António Cerejo desconhecia que "o Ministério da Justiça, por não necessitar do imóvel «Convento de Brancanes», dado este não se adequar a função prisional a que estava destinado, devolveu o mesmo à Direcção-Geral do Património, entidade gestora do património do Estado"?

5 - O mesmo jornalista sabia que "o Ministério da Justiça é alheio ao processo de alienação do imóvel em apreço, que decorreu entre a Direcção-Geral do Património e a Estamo, entidades tuteladas pelo Ministério das Finanças" ?

6 - E também sabia que "o montante atribuído ao Ministério da Justiça correspondeu à percentagem do valor de alienação definida nos termos da Lei do Orçamento do Estado para 2006 (Lei n.º 60-A/2005, de 30 de Dezembro, designadamente do artigo 4.º, n.º 3, alínea b), que estabelece os termos da afectação do produto da alienação e oneração de imóveis)" ?

7 - O jornalista José António Cerejo falou com a Direcção-Geral do Património?

8 - O jornalista em causa tem alguma coisa contra os irmãos Lamego ou trata-se de uma mera fixação?


O Público publica hoje um artigo assinado pelo jornalista José António Cerejo, com chamada à primeira página e que fez manchete desde as 7 horas desta manhã na TSF, no qual levanta uma série de insinuações à aquisição por parte do advogado António Lamego, através de uma sociedade da qual é sócio, do Convento de Brancanes. O jornalista aproveita para lançar um conjunto de suspeitas sobre a probidade do advogado e do ministro da Justiça sem que se dê sequer ao trabalho de esclarecer previamente o que afirma. Convém dizer que estou particularmente à-vontade para atestar a honradez e a seriedade quer de um quer de outro dos visados, sendo certo que nenhum deles me encomendou o sermão. Também sei que a SIC irá estar esta manhã no escritório de António Lamego, mas não gostaria de deixar de dizer o seguinte:

1. É normal no meio empresarial que os futuros sócios de uma sociedade a constituir participem num concurso público antes da contituição da sociedade, visto que ninguém pretende realizar investimentos antes de ter expectativas sérias de vir a concretizar o negócio, isto é, ganhar o concurso. Quem acompanha as empreitadas de obras públicas, por exemplo, sabe bem que isto é assim, designadamente em matéria de consórcios, em que são preliminarmente assinadas declarações de compromisso antes dos sócios se vincularem e apenas com o intuito de se apresentarem a concurso. Como não acredito que o jornalista que assinou a notícia seja ignorante ao ponto de não o saber, só posso concluir que há má fé na insinuação que deixa no ar.

2. O jornalista omite que o referido convento foi adquirido num pacote, ou seja, o outro imóvel adquirido tinha um valor substancialmente mais elevado e foi o determinante na realização do negócio. Ao dar a notícia da forma por que a deu, o jornalista omite um facto essencial para a compreensão do negócio.

3. Depois, a notícia mistura uma extinta sociedade civil de advogados com os negócios de uma sociedade comercial contituída, como refere José António Cerejo, mais de dois anos depois dessa extinção, esquecendo que uma era civil, não tendo por objectivo o lucro mas o exercício conjunto de uma actividade profissional não lucrativa, a advocacia, não se dando, tão-pouco, ao trabalho de averiguar as razões para a extinção da sociedade anteriormente existente entre Alberto Costa, José Lamego e António Vitorino, que posteriormente integrou António Lamego e Rui Afonso, acabando por ser extinta devido aos múltiplos afazeres de cada um dos sócios, designadamente políticos. Aliás, depois de desfeita essa sociedade, viu-se que José Lamego foi para um lado, António Lamego para outro, Rui Afonso regressou ao escritório que já possuía em Macau, onde ainda está, e Alberto Costa continuou no exercício de funções governativas.

4. O jornalista também esquece que um advogado é muitas vezes um mero testa-de-ferro de investidores que pretendem manter-se na sombra até que tudo esteja concretizado, estratégia muitas vezes seguida para não inflacionar o valor dos negócios em função dos potenciais interessados. Mas mesmo que fosse o verdadeiro sócio e interessado no negócio ele também paga impostos por isso. Ou não?

5. De qualquer modo, em causa estava um concurso público, que até agora não foi posto em causa por nenhum dos "perdedores", e aliás, tanto quanto apurei, publicitado em dois jornais e em que as propostas foram apresentadas em carta fechada sujeitas à melhor oferta. Nestas condições onde poderá ter estado o favorecimento se quem quis participar participou e quem fez a melhor proposta foi o concorrente António Lamego ou quem este representava?

6. Por fim, não posso deixar de estranhar o silêncio da empresa pública que dirigu a transacção e o facto do jornalista, sabendo que o advogado estava no estrangeiro e só hoje chegava, não ter aguardado 24 horas para falar com o visado antes de publicar a notícia e lhe dar o destaque que lhe deu.

A isto chama-se jornalismo da sarjeta e um exercício de vilania, absolutamente inaceitável numa sociedade democrática e num Estado de Direito.

quarta-feira, janeiro 09, 2008


O Diário de Notícias (de onde foi retirada a foto que ilustra este post), dá-nos hoje a conhecer o resultado da auditoria divulgada ontem pelo Tribunal de Contas em relação ao Governo Regional da Madeira. Em resumo, o soba da Madeira gastou em 2006 qualquer coisa como mais de 8,6 milhões de euros na aquisição de estudos, pareceres, projectos e consultoria. Fê-lo, na maioria dos casos por ajuste directo e antes da respectiva autorização de cabimento orçamental. Diz o Tribunal de Contas que "a matéria de facto apurada é susceptível de tipificar "ilícitos geradores de responsabilidade financeira sancionatória, resultantes da inobservância das normas sobre a assunção, autorização e pagamento de compromissos", passível de "eventual imputação reitegratória, por indiciar a realização de pagamentos ilegais e indevidos". O DN acrescenta que o relatório seguiu para o Ministério Público.

As infracções financeiras são mais que muitas e incluem "pagamentos ilegais no valor superior a 120 mil euros, pagos a uma empresa externa e aprovada pelo conselho de governo". O valor em causa diz respeito à "montagem de operação de titularização de créditos resultantes da reestruturação e reescalonamento de um conjunto de dívidas a fornecedores da região, envolvendo o pagamento de uma comissão up-front de 0,2%, a incidir sobre o montante total da transacção cifrada em 150 milhões de euros".

Fico agora à espera, ansioso, que o iluminado líder do PSD e o sempre disponível Patinha Antão, venham comentar as ilegalidades e os "truques" do seu companheiro de partido, alguns dos quais, como a titularização de créditos, foram criticados de forma tão veemente em relação ao ministro das Finanças.

terça-feira, janeiro 08, 2008


Começou ontem, nas Varas Cíveis de Lisboa, o julgamento da acção que Paulo Pedroso intentou contra o Estado Português por actos decorrentes da sua prisão ilegal. E começou mal. Embora esteja em causa uma acção cível igual a tantas outras que andam pelos tribunais desse país, apesar de na sua génese estar o caso "Casa Pia", não deixa de ser revoltante saber que o tribunal determinou - determinou? - que o julgamento decorresse à porta fechada. O advogado de Pedroso esclareceu que não foi ele a pedir a exclusão de publicidade do seu constituinte, o presidente da Câmara de Lisboa também não a pediu, então quem terá sido? É importante esclarecer este ponto desde já e antes do julgamento prosseguir atenta a regra cosntante do artigo 656º n.º 1 do Código de Processo Civil, segundo a qual "a audiência é pública, salvo quando o tribunal decidir o contrário, em despacho fundamentado, para salvaguarda da dignidade das pessoas e da moral pública, ou para garantir o seu normal funcionamento". Se o tribunal entende que deve haver exclusão de publicidade então que o diga claramente porquê. É que pelas declarações de Celso Cruzeiro nem sequer este sabe qual a razão para a exclusão da publicidade, o que permite legitimamente concluir que tal despacho ou não foi produzido, e a decisão de fazer o julgamento de portas fechadas também é ilegal, ou não lhe foi notificado.


Ontem na RTP 1, no programa da D. Fátima, discutiram-se as reformas do ministro da Saúde. Ao fim de mais de três horas de troca de galhardetes chegou-se à conclusão de que as reformas são necessárias e inadiáveis e que o problema não está nestas mas na mensagem veiculada e na calendarização escohida para as concretizar. Depois do presidente do PSD pedir a cabeça de Correia de Campos, certamente que não deixou de ser para ele reconfortante ver a forma como o debate terminou.


O Correio da Manhã, num estilo que já se tornou inconfundível, veio informar que "um mês depois de terem dado o nó, naquele que foi um dos enlaces mais mediáticos do País, Pinto da Costa e Filomena Morais tiveram o primeiro arrufo. Ao que tudo indica o motivo da zanga foi outra mulher. O presidente dos dragões tem estado muito próximo da ex-companheira, Linda, com quem tem passado algum do tempo livre". E esclarece que "esta aproximação não deixa os amigos de Pinto da Costa admirados, pois os dois já se conhecem há anos – dos tempos em que Linda trabalhava num bar de Reinaldo Teles – e têm presumivelmente mantido uma relação paralela". Depois do desenlace da novela Carolina, do mediatismo do segundo casamento com a mesma pessoa e do relançamento da imagem, confirma-se que Pinto da Costa é um homem coerente e de convicções profundas.

sexta-feira, janeiro 04, 2008


(imagem do Puro Veneno aqui reproduzida com a devida vénia)

A sindicância à Câmara Municipal de Lisboa revelou, entre outras coisas, as múltiplas promiscuidades entre técnicos da área do urbanismo, gabinetes privados e sociedades comerciais. E também mostrou a proliferação banal de situações de duplo emprego. Até aqui nada que não se soubesse ou suspeitasse já que acontece com demasiada frequência em muitos serviços públicos. Sabe-se, de há muito, que os funcionários públicos são mal pagos e que por esse país, quantas vezes nos lugares mais insuspeitos, grassa a maior miséria moral. Esta, aos poucos, foi-se instalando até começar a corromper a esfera pública, até se banalizar e ser aceite como normal por parte de funcionários mal pagos, de uma classe empresarial subserviente e sempre dependente da mama do Estado ou das autarquias e de uma classe política mais dada a salamaleques e penachos do que a servir. O que hoje se vê na Câmara de Lisboa suspeita-se que aconteça em quase todas as câmaras do país. Basta falar com os "interessados", basta atentar nos sinais exteriores de riqueza e no património acumulado por alguns funcionários públicos que não foram brindados com o euromilhões, para desconfiar. Sistematicamente enterrou-se a cabeça na areia, hábito que a maior parte da classe política aprendeu a aceitar e interiorizar sem grandes dúvidas. Em Macau, houve até um governador que se lembrou, hipocritamente, de limitar as ofertas a funcionários públicos ao valor de 500 patacas - ao tempo cerca de 50 euros, enquanto a maior parte, governantes incluídos, continuava a receber presentes de valor incomensuravelmente superior e se desviavam fundos públicos para os actos mais bizarros. A tudo o poder político, acolitado por uma magistratura quase sempre servil e acomodada, fechou os olhos. Tudo isto vem a propósito da Câmara de Lisboa e das múltiplas promiscuidades de agora se fala. Duplo emprego é nestes casos sinal de dupla miséria. Por isso mesmo, preocupa-me mais esta situação e o combate aos hábitos que ao longo dos anos se foram enraizando entre a nossa classe política, o funcionalismo público e algum empresariado - o julgamento da Brigada de Trânsito de Albufeira revelou muita coisa que já caiu no esquecimento - do que a charutada do presidente da ASAE nas primeiras horas de 1 de Janeiro de 2008. Pode não parecer, mas é bem mais importante saber quem ofereceu a este e ao seu colega, presumo que também aos acompanhantes, o jantar de 31 de Dezembro no Casino Estoril, e discutir se é legítimo que uma oferta dessas seja legitimamente aceite por aqueles, enquanto titulares de cargos públicos e atento o valor dos salários que auferem, ou se tudo isso não passa de um facto menor insusceptível de pôr em causa a dignidade da função, de abalar o prestígio do Estado e das suas instituições ou de, simplesmente, constituir um mau exemplo para famílias de funcionários públicos com dois e três filhos em idade escolar, que auferem, em conjunto, menos de 2000 euros por mês, compram tudo a prestações, pagam a gasolina a € 1,40/litro, suportam os encargos decorrentes da aquisição de habitações mínimas e mal construídas, e ainda têm de arranjar paciência para ouvir as queixas das associações de magistrados ou as mensagens de quem diariamente pede sacríficios aos portugueses.


O camarada Ferro Rodrigues é militante (ainda é?), foi dirigente do PS, deputado e ministro da República. Também quis ser primeiro-ministro. Por força de acontecimentos que não dominava não conseguiu e foi preterido por Pedro Santana Lopes. Depois, contra a sua vontade, por obra e graça de caluniadores, viu-se envolvido no processo Casa Pia. Defendeu a sua honra e o seu bom nome como pôde. Foi ilibado de todas as acusações. O PS nunca lhe regateou apoios. Ele queria mais. O partido foi arrastado pelas ruas da amargura com as intervenções à flor da pele do seu secretário-geral. Todos ficaram salpicados. No fim, o camarada Ferro Rodrigues teve direito a uma prateleira dourada, em Paris, tornou-se entretanto embaixador, passando a poder frequentar sem a preocupação dos aviões ou dos hotéis os perfumados salões da burguesia, participar em eventos sociais, comprar bons livros, assistir a espectáculos magníficos, viver uma vida boa longe das agruras que enfrentam os seus camaradas e os portugueses que dentro do país travam o combate de lutar por um país melhor. O camarada Ferro Rodrigues podia e devia ter feito mais e melhor. Dirá que deu o que pôde, é certo, mas também ninguém lhe exigiu mais. E isso devia ter sido o suficiente para que ele tivesse um pouco de contenção. Não percebi, por isso mesmo, se ele desejou dar a entrevista à Visão ou se procurou evitá-la. De qualquer modo, sei bem que quando se está confortavelmente instalado em Paris tudo se torna mais fácil. Em especial falar em sacríficios. Tudo se torna mais distante, mais longínquo, mais etéreo. O camarada Ferro Rodrigues já sabia que Paris era uma festa. Agora tem a certeza. Vir lembrá-lo a quem cá ficou é que era escusado. Quem fica tem sempre memória.


Ainda não passaram algumas horas sobre a decisão da organização do Lisboa/Dakar de cancelar a prova deste ano, e já os autarcas de Portimão e de Benavente vieram reclamar ser indemnizados pelos prejuízos sofridos com a organização do evento cancelado. O primeiro foi mesmo ao ponto de dizer que a decisão foi um erro, não pela presença ou ausência de riscos para os participantes que iriam atravessar a Mauritânia, mas pelos prejuízos que a sua autarquia e a região algarvia sofrerão com o cancelamento. Independentemente do folclore que estes eventos sempre proporcionam, e da visibilidade que conferem a alguns pacóvios sempre sedentos dos seus cinco minutos de fama, aos quais nos vamos dificilmente habituando, não deixa de ser lamentável e ridículo o tipo de preocupações manifestado pelos senhores autarcas. Desconhece-se que informações tem o edil de Portimão para dizer que a anulação da prova é um erro, mas seguramente que não diria o mesmo se a prova viesse a ser cancelada 4 ou 5 dias depois da partida. Nessa altura, o problema já não seria de Portimão, nem de Benavente, nem das outras autarquias envolvidas. Os marroquinos que ficassem com o prejuízo. Lamentariam o desfecho é certo, mas é sempre mais fácil lamentar quando se tem os bolsos cheios e os mortos morrem longe. Pela sua parte os autarcas portugueses já estariam reembolsados. Esquecem os senhores autarcas que contratualizaram com a organização o apoio à prova, que esse apoio implica, como qualquer negócio, os riscos a ele inerentes e que quem assume os riscos do negócios é natural que depois também daí retire os proventos, ou os prejuízos, se os houver. Ao longo dos anos o Daker tem passado por inúmeras vicissitudes conducentes à anulação de etapas e à alteração de percursos. Querer ignorar isso para agora retirar dividendos políticos e económicos para as respectivas regiões, sem curar dos riscos envolvidos, designadamente em vidas humanas, denota umbiguismo, falta de sentido das responsabilidades e desprezo pela segurança e a vida de terceiros. E se é certo que já se perderam muitas vidas no Dakar, inerentes aos riscos da própria competição, mandaria o mais elementar bom senso que os autarcas de Portimão e de Benavente, em especial o primeiro, fossem mais comedidos nas afirmações. Ninguém acredita que o cancelamento tivesse sido decidido de ânimo leve. A organização também tem os seus prejuízos. E havendo seguros não se vê a razão de tanta preocupação. Ou será que Portimão quis poupar nos advogados e nos prémios dos seguros quando negociou com João Lagos? Queriam o Lisboa/Dakar? Pois aí têm! Como diziam os latinos, "ubi commoda, ibi incommoda", ou seja, quem recebe as vantagens também deve arcar com as desvantagens. Convém recordá-lo aos senhores autarcas antes que venham pedinchar ao Governo o pagamento de compensações pelo cancelamento da prova.

quinta-feira, janeiro 03, 2008


"Lisboa: Sindicância ao Urbanismo da Câmara faz seis demissões no departamento de gestão urbanística" - título de uma notícia da Agência LUSA

A minha esperança é que este tipo de sindicâncias se estenda a outras autarquias. Há algumas câmaras do Algarve a necessitarem do mesmo, nem que fosse para agilizar processos e cumprir prazos. Podiam começar já por Vila do Bispo. E depois era varrê-las até Vila Real de Stº António. Era um ver se te avias. Não há nada como afastar os fantasmas.


Para os meus amigos de Angola, espero que o ano de 2008 seja bem melhor do que aquilo que canta Dog Murras, provavelmente, como diria o meu amigo J.R., "o próximo proscrito".


«É por isso que ainda não o vimos à porta de uma fábrica como prometeu fazer sempre [que] uma fechasse? Não me deixei inibir mas esse tipo de populismo é mais a especialidade do eng. Sócrates do que a minha.» - entrevista ao Expresso no dia 22 de Dezembro de 2007

"O presidente do PSD, Luís Filipe Menezes, vai estar hoje à porta do Hospital da Anadia, protestando contra o encerramento das urgências, decretadas pelo Governo, tentando assim capitalizar a favor do seu partido mais esta medida impopular protagonizada por Correia de Campos." - notícia de hoje do Diário Digital citando o Diário de Notícias

Um hospital não é uma fábrica, mas antes que seja tarde o melhor é começar já a especialização fazendo o tirocínio das manifs. Populista eu? Naaão! Burro sou eu? Naaão!

quarta-feira, janeiro 02, 2008


Terminado o ano de 2007, começam a chegar as estatísticas sobre a sinistralidade rodoviária no ano que findou. O Diário Digital revela hoje que os acidentes na estrada fizeram mais 8 mortos do que em 20o6 e que este número ainda poderá subir se houver confirmação da tendência de que 14% dos feridos hospitalizados acaba por falecer. Em 2007 a coisa ficou pelos 858 mortos, 3090 feridos graves e mais 42631 feridos leves. Isto significa que todas as campanhas efectuadas de há um ano para cá, todos os radares que plantaram pelos túneis de Lisboa e pela 2ª circular, todos os cartazes e campanhas de sensibilização, tiveram um resultado medíocre. Para os que do alto da sua pesporrência continuam a dizer que o problema é o excesso de velocidade, a começar pelo presidente da ACA-M e os responsáveis pelas sucessivas campanhas de segurança rodoviária, ficava-lhes bem vir comentar estes números obscenos e, no caso dos segundos, confessarem a sua inépcia e apresentarem a demissão. Não, meus senhores, o problema não está no excesso de velocidade, está na generalizada falta de civismo dos utentes da estrada - peões e condutores - e na imperícia dos condutores portugueses. O presidente da ASAE, ele próprio um exemplo de como as leis devem ser cumpridas no interior dos casinos, anunciava há alguns dias atrás numa entrevista que mais dia menos dia metade dos cafés e restaurantes deste país deviam ser fechados. Eu, perante os números da sinistralidade rodoviária que o DD apresentou, só me lembro de perguntar uma coisa: Quantas escolas de condução deverão ser urgentemente fechadas?