quinta-feira, novembro 26, 2009

ACONTECE A TODOS

Aqui há uns anos, um ex-ministro da Justiça foi severamente criticado por o Presidente da República ter indultado um célebre empresário da noite que tinha sido condenado a seis anos de cadeia. Nessa altura a oposição malhou forte e feio em Alberto Costa. Desta vez, como o mar volta sempre à areia, eis que ficámos a saber que Cavaco Silva condecorou um cadastrado chinês com a Ordem do Infante D. Henrique. Um tipo ser hoje condecorado com a Ordem do Infante é quase como levantar a suspeita na opinião pública de que se é ou cadastrado ou trafulha. Confesso que não sei o que será pior. Mas de uma coisa tenho eu a certeza: a quantidade de condecorações que têm sido por aí oferecidas, à laia de caramelos, a juntar às que eu vi serem atribuídas em Macau a gente que por lá fez igual ou pior àquilo de que hoje acusam um sucateiro que está preso preventivamente, aconselha qualquer cidadão que se preze a não aceitar tamanha afronta. Por respeito ao Infante e aos valores da cidadania.

quarta-feira, novembro 25, 2009

25 DE NOVEMBRO

Aqui neste blogue comemora-se o 25 de Novembro. Porque Portugal é maior do que os homens, porque a democracia não pode ser atraiçoada por uma classe política estruturalmente mal formada e demasiado preocupada consigo mesma, porque é imperioso mudar os partidos por dentro, porque a corrupção esmaga o sentido da participação, porque a justiça e os seus mecanismos devem ser claros, céleres e acessíveis a todos, mas acima de tudo porque os portugueses merecem e devem ser capazes de fazer e de exigir mais do que aquilo que têm, com liberdade, mas acima de tudo com mais responsabilidade, mais coragem e melhor espírito de intervenção cívica, movidos pelos valores que fazem deles uma Nação, pela cidadania e pelo exemplo de homens como Jaime Neves, que tudo deram e nada pediram.

O DESFILE DOS ANJOS

(imagem do portal MSN)
Chamaram-lhe desfile dos anjos. Para o caso até nem será o mais importante, mas felizmente que estes têm sexo. Por momentos ficam todos autorizados/as a esquecerem-se da crise, do desemprego, do défice, das escutas, das promoções na Presidência da República ou do desastre que está a ser para a Justiça o caso "Casa Pia". O resto está aqui. Deliciem-se.

segunda-feira, novembro 23, 2009

AS OUTRAS TAMBÉM NÃO DETECTARAM NADA

Quando for grande também vou querer ser auditor.

A TIRO ERA MAIS FÁCIL

O Zé Povinho já está habituado a que assim seja, mas quer-me parecer que há aqui uma grande desfaçatez do senhor governador do Banco de Portugal. Bem sei que o aumento de impostos é o caminho mais fácil, mas se em causa está estimular a economia, não percebo como tal será feito tirando mais dinheiro a quem já pouco tem e mais não tem feito do aguentar crises e, ultimamente, também pagar os erros da supervisão. As nossas crises e as dos outros e os erros dele e dos seus homens.

UM (L)AZARETTI DOS DIABOS

Com um palco destes e tantos diabos à solta, só mesmo um (L)azaretti dos diabos é que podia trazer os rapazes à Terra. A eles e ao respectivo treinador. Ainda bem que assim foi. Pelo menos, por agora, as coisas começam a ficar mais claras quanto a algumas opções (?) tácticas (Júlio César, Maxi Pereira, Weldon, Filipe Menezes e Nuno Gomes no banco, Ruben Amorim a lateral, Ramires na asa esquerda, Di Maria à direita, e um tal de Keirrisson a ver se percebia de onde é que as bolas vinham). E a certeza de que para inventar já bastava o iluminado Quique Flores. Venha o próximo.

quinta-feira, novembro 19, 2009

LA MAIN DE LA DUPERIE

Se houvesse justiça no mundo, a selecção francesa de futebol e Domenech ficariam em casa a ver o Mundial de 2010 pela televisão. A FIFA tinha a obrigação de tomar medidas. Michel Platini devia ser o primeiro a mostrar-se envergonhado. Quem jogou como ele jogou, com a classe e o fairplay que esta selecção francesa e o seu treinador não têm, quem diz defender a verdade desportiva e lutar contra a corrupção no futebol não pode ficar indiferente. O afastamento da República da Irlanda é uma mancha num campeonato cuja fase final ainda nem começou.

NORMAL

Quem leia esta notícia é capaz de pensar que certamente se tratou de um caso pontual. Mas se foi não resiste a uma análise um pouco mais profunda. A forma como todas essas coisas se processam na nossa Administração Pública, muito particularmente na área em causa, é que deixa qualquer contribuinte varado. Não sei quanto casos como esse estarão escondidos nos subterrâneos do Fisco, casos que nunca chegarão a conhecer a luz do dia. Porém, não deixo de me arrepiar por saber que enquanto alguns esperam "a vida toda" por uma resposta a um simples requerimento, outros há que são "tu cá, tu lá" com a malta do fisco. Intimidades e nada de chatices. Quando se sabe alguma coisa é quando alguém recebe menos do que estava à espera. Ou quando há uma escutazinha a lixar o pessoal. Por estas e por outras é que todos os funcionários dos impostos e das autarquias deviam ser anualmente rodados entre os diversos serviços e departamentos. Era meio caminho para a limpeza e para acabar com muito técnico que anda de Jaguar, compra "rolexes", recebe televisões e "despacha" quando lhe apetece. E talvez fosse a única forma dos justos, sérios e trabalhadores não terem de se queixar da imagem.

quarta-feira, novembro 18, 2009

AGORA DEU-LHE PARA ISTO

Depois da fase terrorista e das extravagâncias com as tendas e os camelos, já só lhe faltava mesmo converter as "pecadoras" ao Islão. As fotos estão aqui, mas o vídeo dá conta da animação que continua a rodear as deslocações do líder líbio.

A LONGA MARCHA DE OBAMA

(Reuters, via Corriere della Sera)

Esta foto de Obama tirada na Grande Muralha pode bem simbolizar o caminho que o novo prémio Nobel tem pela frente: solitário, frio e exigente. O "yes, we can" da campanha que o levou até à Casa Branca, longe de estar esgotado, vai dando provas de vitalidade, como ainda agora voltou a suceder na visita à China. O simples facto de ter havido quem no coração económico da Ásia, numa Xangai cada vez mais cosmopolita e moderna, tivesse tido a ousadia de falar abertamente de direitos humanos, internet e liberdade de expressão, apelando a uma maior abertura do governo de Pequim e a uma renovação das mentalidades da nova oligarquia chinesa, constitui um marco, tanto mais indelével quanto às suas declarações não se seguiu a habitual reprimenda chinesa. Se a este sinal pudermos juntar o apelo ao diálogo com o Dalai Lama, independentemente dos resultados económicos alcançados e das perspectivas em matéria de protecção do ambiente, sempre se poderá dizer que o caminho vai ser longo e difícil, mas continua a haver esperança. E este será sempre um bom sintoma na hora de enfrentar os próximos obstáculos.

ENÉSIMO SALPICANÇO

Uma imagem que cada vez mais se cola à pele. Cada vez mais um país de opereta.

sexta-feira, novembro 13, 2009

ASSIM SE AUMENTA A RECEITA

Imaginação não falta, mas esta medida é compreensível. Falta-lhe é a adequada fundamentação jurídica. Mas isso já era de esperar, não?

A LER

Com a clareza habitual, o artigo de Paulo Pinto de Albuquerque na edição do Diário de Notícias.

TUDO A NU

A confirmação da veracidade desta notícia do Sol deixa a nu a fraude que constitui o nosso sistema de justiça. Independência, inamovibilidade e irresponsabilidade. Este cocktail começa a tornar-se demasiado explosivo.

quarta-feira, novembro 11, 2009

RUA DA SAUDADE

Graças ao blog de Pedro Rolo Duarte, uma justíssima homenagem ao poeta e uma oportuna chamada de atenção para uma voz magnífica. E já agora, também, para uma figura que não lhe fica atrás. O Ary havia de ficar satisfeito com este cavalo à solta.

ROBERT ENKE

Vou recordá-lo assim, entre os postes, sempre alerta, sem vacilar, nos melhores e nos piores momentos da equipa. As estrelas nunca partem. E protegem-nos. Que Deus lhe dê lá em cima a paz que não teve entre nós. E também os títulos que merecia.

CODORNIZES

Está visto que já não se pode "oferecer" aos amigos as codornizes há muito prometidas. Um tipo é logo fotografado com o saco das ditas e depois, enquanto o diabo esfrega um olho, vem tudo escarrapachado nos jornais. Triste país.

terça-feira, novembro 10, 2009

HOJE FIQUEI ASSIM

Este interessante texto de Alberoni, que termina com um pedido à ministra italiana da Educação, Mariastella Gelmini, cuja reforma tem motivado os mais veementes protestos entre professores e estudantes, podia ter sido escrito para a nossa ministra da Educação. A actual ou a anterior ou para qualquer um dos seus antecessores. Efectivamente, a desordem do pensamento de que fala Alberoni tem hoje reflexos incontornáveis na língua que se fala e escreve. Quando ele nos diz que a escola "já não ensina gramática, análise cronológica ou consecutio temporum" e que "há quem não distinga o passado próximo do passado remoto, quem não perceba a lógica do conjuntivo e do condicional" e que "alguns confundem até o presente com o futuro", mais não faz do que constatar uma realidade. Deprimente mas nem por isso menos real. Esta realidade não será, seguramente, muito diferente daquela que levou o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem a colocar em causa a presença de crucifixos nas escolas italianas e que leva um semanário prestigiado como o L'Espresso a questionar e a lançar o debate sobre a laicidade do próprio Estado italiano. Ou, ainda, que num país aparentemente pacato e sereno, que tanto contribuiu para a formação da nossa maneira de pensar pela influência que exerceu no espírito de um homem como Jean-Jacques Rousseau, se discuta a altura dos minaretes e não haja, nem de um lado nem do outro da mesa, um pouco de discernimento. Tudo se passa longe e ao mesmo tempo perto, como ainda hoje se percebe pelas evocações e a memória da queda do Muro de Berlim. Mas quando tudo isto é transportado para dentro de nossa casa e se assiste a um jogo de pingue-pongue como este que está a ser jogado pelos nossos mais altos magistrados, fica muito pouco para a deprimência. Não sei até que ponto a cronologia histórica de Alberoni ainda fará aqui sentido, mas que a nossa Justiça caminha a passos largos para a desagregação e a demência parece já ser irreversível. Não sei o que leva pessoas com o seu brilho intelectual e jurídico a debates tão improdutivos, a tomadas de posição públicas tão indignificantes para tudo aquilo que representam. Pior nem mesmo a triste história do subsídio de reintegração do ex-deputado Casaca, que funciona para o beneficiário como uma espécie de rendimento máximo garantido. No momento em que se discute e tenta perceber a dimensão do polvo que tomou conta deste país e o número de tentáculos activos que medram na sombra dos partidos, da administração pública e das empresas, para ver se ainda vamos a tempo de poder neutralizá-los, não sei se algum dos meus concidadãos alguma vez o compreenderá. Mas ao menos espero que os protagonistas saibam o porquê. Mesmo que não o divulguem e resolvam guardá-lo para as suas memórias. Ou, talvez melhor, levar com eles para a tumba na hora da partida, poupando-nos às suas revelações. Ao contrário do que dizia a canção, a revolução não está a passar por aqui. Ela passou e foi-se embora sem querer nada connosco. Agora é o caos que passa por nós. E isto já deixa de ser deprimente para se tornar uma fatalidade. Falar hoje do caos é falar de nós. Palavras para quê?

[Publicado em simultâneo no Delito de Opinião]

ESTORIL FILM FESTIVAL 2009

O Estoril Film Festival prossegue a sua caminhada triunfal até dia 14. Hoje às 21h com um encontro de David Cronenberg com o público e a exibição de dois dos seus filmes ("The Italian machine" e "Crash") no Centro de Congressos. Mais à noite, pelas 0h.15m, ali mesmo ao lado no Casino Estoril será a vez de ser exibido "Paris" de Cédric Klapisch, com a incontornável e justamente homenageada Juliette Binoche. Quem não puder ir ao Estoril ver o filme e a musa sempre pode procurar contentar-se com a edição francesa da Playboy de Outubro de 2007.

III FESTIVAL DE ÓRGÃO

Começou no passado sábado com um concerto na Sé de Faro do organista Filipe Veríssimo, que interpretou peças de José da Madre de Deus, Bach, Carlos Seixas, Stanley e uma notável obra do padre António Cartageno denominada "15 Variações para órgão sobre um tema de Domenico Bartolucci". Prosseguirá no dia 14 de Novembro, na Igreja do Carmo, tendo como intérprete Gianpaolo di Rosa, com um programa de improvisações em diferentes estilos e formas. Depois, a 21 de Novembro será vez de António da Mota, também na Igreja do Carmo, com um programa de Hayes, António Carreira, Juan Cabanilles. J.S. Bach, Stanley e Boyce. O festival termina em 28 de Novembro, de nova na Sé Catedral de Faro, com a Capella Patriarchal e João Vaz que interpretarão um programa composto exclusivamente por obras de Carlos Seixas e Francisco António de Almeida. A entrada é gratuita e os concertos começam todos às 21.30.

FINALMENTE


"Antarctica shall be used for peaceful purposes only. There shall be prohibited, inter alia, any measure of a military nature, such as the establishment of military bases and fortifications, the carrying out of military maneuvers, as well as the testing of any type of weapon."

Já não era sem tempo que era aprovado e ratificado o Tratado de 1 de Dezembro de 1959.

segunda-feira, novembro 09, 2009

20 ANOS

Foi há 20 anos. Vinte anos depois continuam a pairar as mesmas sombras e os mesmos anseios. Por cada muro que se derruba logo surge um novo. A Europa mudou. O mundo mudou. Mas nem um nem outro mudaram o suficiente. A luta de ontem pela democracia, pela dignidade humana, pela defesa dos valores em que acreditamos, é a mesma de hoje. E vai continuar amanhã na luta contra a corrupção, na luta contra a prepotência, contra o abuso e a intolerância, pela defesa de uma cidadania mais responsável, de um ambiente mais saudável e mais limpo, pela luta contra a pobreza e pela defesa de uma imprensa séria e independente do poder. Pela defesa dos sonhos. Estamos condenados à liberdade.

quarta-feira, novembro 04, 2009

EPISÓDIOS DA MISÉRIA HUMANA

O título deste post foi surripiado a uma crónica do Baptista Bastos. Depois daqueles episódios "canalhas" da casa, da renda e da Câmara Municipal de Lisboa, como todo o céptico fiquei desconfiado, mas confesso que continuo a apreciar a sua escrita, o estilo e a dimensão do raciocínio. E penso que continua a valer a pena lê-lo, bem para lá da espuma dos dias. Há coisas que nunca mudam. A miséria humana é uma delas. Quando muito aprofunda-se.

SOBRE DEBATES E REFERENDOS

Aqui, um texto sobre o tema em epígrafe e o desconchavo que por aí grassa.

terça-feira, novembro 03, 2009

DIRECTO AO ASSUNTO

"A primeira avaliação é a de que a autarquia de Tavira tem problemas financeiros. Ainda não fizemos uma avaliação profunda, mas a situação financeira não é propriamente confortável e requer cuidados." - Jorge Botelho, Presidente recém-eleito da Câmara Municipal de Tavira

segunda-feira, novembro 02, 2009

MAIS CINEMA EM FARO

Enquanto se preparam as objectivas para o Estoril Film Festival, e passa mais um aniversário sobre a queda do Muro, nada melhor do que ver curtas-metragens de jovens realizadores que estão a viver em Berlim. Ao todo são nove e daqueles vão estar presentes presentes três alemães, uma irlandesa e a "nossa" Rita Macedo. A entrada é gratuita. Tal como já aconteceu com o ciclo de cinema francês que ontem terminou. Não será pelo preço que os cidadãos de Faro deixarão de ver bom cinema. Haja vontade que as iniciativas não têm faltado.

HOSPITALIDADE

É o nome que se dá a isto. Mas é favor não confundir com a hospitalidade minhota. Esta é mais do tipo "braguista".