domingo, março 29, 2009

GRAN TORINO

Ver um filme numa sala às escuras, com bom som, com óptima imagem, num ecrã com dimensão e ... sem pipocas, penso que continua a ser o sonho de qualquer cinéfilo. Quando, ainda por cima, não há mais ninguém na sala, não se vê por perto nenhum desses bandos de adolescentes semi-anormais que falam alto, mastigam pipocas de boca aberta e põem as patas em qualquer lado; nem por perto há uns sujeitos que deixam os telemóveis tocar para depois avisarem os respectivos interlocutores de que estão no cinema, duvida-se da nossa sorte. Se a isto juntarmos, como se todo o ambiente não fosse já bastante para nos proporcionar um instante de felicidade, o privilégio de ver uma obra de excepção, então a sensação deve ser parecida com a de ganhar o Euromilhões. Pois foi o que me aconteceu. Ele, o anti-burocrata, o actor sério e honesto, o realizador de excepção, o cidadão empenhado, o velho mayor de Carmel que em 1986 venceu as eleições com uns esmagadores 72,5%, não precisava de fazer mais nenhum filme. Tinha tudo. Há muito que tinha conquistado um lugar único na galeria dos verdadeiros heróis. Mas quis fazer mais qualquer coisa. E conseguiu. Nem sequer precisou de ter ao seu lado uma dessas divas que fazem sonhar os homens e mover o mundo. Para quê? Com Gran Torino ele limitou-se a garantir a imortalidade. Só pode garantir a imortalidade quem de uma forma tão simples e directa pode dar uma lição de vida. Um dia, no seu epitáfio, a única coisa que se poderá escrever dele será que foi um homem decente. De um homem não vale a pena dizer mais nada. Recordar que foi rico, que conquistou a glória ou entrou nos livros, tudo isso é desprezível quando se está perante um homem decente. Basta dizer que foi um homem decente. Está lá tudo. Eu que diariamente procuro fugir à bestialidade, e que ingenuamente sonho com a decência e um epitáfio simples, acho que não há nada de mais belo que se possa dizer de um homem. Dizer que um homem e a sua obra foram decentes é dizer tudo. Um homem decente é um homem que nos dias de hoje, no meio da merda, consegue viver paredes-meias com a perfeição. O Clint é um deles. Gran Torino a melhor prova.

sexta-feira, março 27, 2009

quinta-feira, março 26, 2009

QUE ANDA O MINISTÉRIO PÚBLICO A FAZER?

Esta notícia vem uma vez mais confirmar aquilo que se temia. Há quem no Ministério Público ande a brincar com o fogo. O Procurador-Geral da República, um insigne magistrado e notável jurista, e acima de tudo um um homem sério e de bom senso, terá necessariamente de se interrogar sobre esta absolvição de Avelino Ferreira Torres e o trabalho que alguma da sua gente anda a fazer no terreno. Conhecendo-se o figurão, a única coisa que se pode dizer é que não se pode continuar "a aligeirar" a recoha de indícios na fase de inquérito e a pedir que sejam as polícias e os funcionários das secretarias a fazerem o trabalho que os magistrados não deviam confiar a mais ninguém numa fase crucial do processo. E ainda está para sair a sentença do processo Casa Pia. Foi mais uma machadada na já estafada credibilidade da justiça.

E VÃO MAIS DUAS

Parece que, finalmente, começam a ser várias as vozes e de diversos quadrantes e sectores a dizerem o mesmo. Cândida Almeida reafirma aqui a necessidade de criminalização das violações dos PDM. E Manuela Ferreira Leite acentua o constrangimento que representa para o desenvolvimento do país a corrupção. Alegre também já o tinha dito há muito pouco tempo. E eu, na minha humilde e discreta intervenção, ainda recentemente apontei a urgência desses combates quando ocorreu o último Congresso do PS, sem que ninguém, com excepção de Ana Gomes, prestasse qualquer atenção. Maria José Morgado também já o defendeu publicamente. Se José Sócrates quer que o PS lidere estes processos cruciais para o interesse nacional só tem um caminho. Avançar rapidamente, antes que seja demasiado tarde e o PSD tenha novo líder. Estas é que são as verdadeiras questões nacionais em que se impõe um consenso e cuja regulação deverá preceder qualquer processo de regionalização.

O MEU NOME É MELHOR DO QUE O TEU

A pornográfica novela sobre a escolha do Provedor de Justiça diz tudo sobre os nossos partidos políticos e a estatura de quem hoje manda neles. Talvez por isso Mário Soares tenha dito o que disse há alguns dias atrás. Uma situação como a que hoje se vive seria impensável com gente como ele ou Francisco Sá Carneiro. Há muito que deixou de estar em causa a escolha de um simples nome, uma questão de precedência nas propostas ou a defesa de princípios, como quer agora fazer crer a Drª Manuela Ferreira Leite. Eu estava convencido, depois da lição de Robert Dahl, que a democracia exigia a livre e voluntária aceitação de um conjunto de regras e que eram estas e a sua execução que constituíam a sua essência. Entre nós não é bem assim. Para esta maralha, os princípios, as regras, já são passado. E também não é uma questão de persistência. É mais uma questão de teimosia e primeiras páginas. No fim vencerá o mais teimoso. A democracia que se lixe.

PALAVRAS SENSATAS

As palavras mais sensatas que ouvi nos últimos dias vieram de um sportinguista. Por sinal, um ex-Presidente da República. Jorge Sampaio tem carradas de razão. Um país que leva a semana toda a discutir um penalty num jogo de futebol e um nome para Provedor de Justiça, numa altura de crise como esta, é um país doente, incapaz de pensar e de distinguir o essencial do acessório. Há limites para tudo. Ou devia haver. Mas é difícil que a comunicação social que temos e que leva manhãs, tardes e noites a promover discussões estéreis veja isso. Entre pobres de espírito a estupidez vende. E muito.

quarta-feira, março 25, 2009

PÁGINAS QUE MARCARAM UMA ÉPOCA

Enquanto não sai a edição portuguesa da Playboy, o que se espera que venha a acontecer já amanhã, vale a pena fazer uma visita à última oferta do seu patrão e recordar a evolução da revista nos últimos 50 anos. Quem quiser poderá ter acesso a um conjunto de números seleccionados da revista aqui. Deus criou a mulher, mas Hugh Hefner criou o mito. Ainda bem.

segunda-feira, março 23, 2009

DIAVOLO ROSSO



A culpa foi do diabo do árbitro!

VERDADE DESPORTIVA

Nos últimos anos têm sido tantos os casos e tão incompetentes as direcções do futebol português e da arbitragem nacional que quando alguém vem falar em verdade desportiva, depois de um jogo como o de sábado, a única coisa que apetece fazer é decidir tudo por moeda ao ar. O árbitro viu o que não aconteceu? Paulo Bento insurgiu-se? Porque não reagiu ele da mesma forma quando o Sporting marcou com o Rio Ave? Quantas vezes já foi o Sporting beneficiado esta época? Então e as expulsões que deviam ter acontecido de Polga e Derlei? Qual vai ser a sanção para os excessos de Paulo Bento? E de Pedro Silva? Convém não nos esquecermos que Katsouranis foi punido depois das declarações que fez a propósito do jogo com o Nacional. O SCP só tem de se queixar de si próprio. A arbitragem foi má para os dois lados. Para a próxima é melhor treinarem as grandes penalidades. O resto é a conversa habitual do futebol português.

sexta-feira, março 20, 2009

O PAPA E O PRESERVATIVO

O problema é que Ratzinger não perguntou aos católicos se estes escolheram a tal perfeição de que ele fala, ou se perante uma pandemia como a da SIDA preferem que a verdade seja obnubilada e muitas vezes ignorada, em prol de uma pretensa abstinência que se quer impor a populações completamente ignorantes e em relação às quais, muitas vezes, nem mesmo o simples direito a um pedaço de pão está garantido todos os dias. A capacidade de sofrimento e de rejeição aos instintos mais básicos não é igual no Vaticano obeso e na esfomeada e doente África profunda. E mesmo ali, dentro do seu seio, no meio culto e restrito da Igreja Católica, se sabe dos abusos que foram cometidos por gente com responsabilidades dentro da sua hierarquia. Basta pensar nos casos de pedofilia e no Banco Ambrosiano. Se houve quem não resistisse ao crime em áreas tão sensíveis, como pedir aos outros que resistam àquilo que faz parte da essência da própria natureza humana e que podendo ser "pecado" não é crime? Ele está no seu direito de defender aquilo em que acredita e nós, que fazemos parte do seu rebanho, no direito de pensarmos pela nossa própria cabeça e de criticarmos os seus disparates.

quinta-feira, março 19, 2009

UM FRANCISCANO DOS NOVOS TEMPOS

O Correio da Manhã deu-nos hoje a saber que o inefável Padre Melícias, um franciscano que sempre gostou de coisas boas e sobre o qual não consta que de alguma delas se tivesse privado, irá auferir uma reforma de € 7.450 (sete mil quatrocentos e cinquenta euros). Qualquer coisa como mais ou menos 16 salários mínimos nacionais, ou seja, mais do dobro do que ganha um deputado da República. Para quem segue os ensinamentos de S. Francisco de Assis, cujos votos foram de pobreza, obediência e castidade, e que levou a vida a pregar o amor a Deus, a simplicidade e a caridade cristã, não custa perceber a evolução que esses votos tiveram na pessoa do Padre Melícias. Não há nada como uma das boas reformas terrenas dos incréus antes de se ascender ao Reino dos Céus.

P.S. Já agora, se o Senhor Padre Melícias quiser fazer um acto de verdadeira caridade cristã, agradecia que lá nos seus contactos me arranjasse 3 bilhetinhos para a final da Taça da Liga, a pagar, é claro, visto que aqui na minha terra os bilhetes, vá-se lá saber porquê, nem chegaram a aparecer. Quem sabe se não terão sido oferecidos pelo Sr. Hermínio Loureiro a alguma claque de franciscanos mais dada às coisas da bola do que da pregação!?

quarta-feira, março 18, 2009

A ECONOMIA DA CORRUPÇÃO

A Fundação Engº. António de Almeida (FEAA) leva a efeito na sua sede, no Porto, nos dias 26 e 27 de Março, um Symposium Internacional sobre o tema "A Economia da Corrupção nas Sociedades Desenvolvidas Contemporâneas". Tem a colaboração do CEPESE (Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade) e da Polícia Judiciária. Vai lá estar gente que sabe do tema, da melhor que anda por aí, como Adam Graycar (Universidade de Rutgers, USA), Eugenio Fusco (Procurador da República Italiana), que vai falar sobre o fenómeno no seu país, Alfredo Cabezas Barrientos (Policia Judicial, Madrid), James Newell (Universidade de Salford, UK) e Cornelia Gägdik (Procuradora-Geral Adjunta, Alemanha). Dos nacionais, entre outros, estarão Cândida Almeida, Mariana Raimundo, Euclides Dâmaso e o juiz Carlos Alexandre. Infelizmente, não poderei lá estar, mas quem puder que vá. Mais informações só no Secretariado da CEPESE, Edifício CEPESE – Rua Campo Alegre, 1021/10554169-004 PortoTel. 226001513 / 226095347 Fax. 225432368 ou através do e-mail cepese@cepese.pt. A Ordem dos Advogados também ajuda à divulgação da iniciativa.

UM TRATADO

Duas curtas linhas de um oportuníssimo e muito actual post do meu amigo João Carvalho, transformaram-se no intróito de um tratado sobre "esposas"! As mulheres a quem chamam "esposas" deviam ser as primeiras a revoltarem-se com tal tratamento que as menoriza e ofende. Ainda bem que há quem repare nestas coisas. Eu, e já agora o Presidente da República, por sinal um algarvio, bem nos esforçamos por corrigir, sem ofender, essa tendência cada vez mais inata para a infracultura (-Bem visto, João!). Mas não há maneira deles perceberem. Pode ser que lendo o post e os comentários aprendam alguma coisa. Água mole em pedra dura...

E JÁ AGORA...

A pedido de várias famílias, a versão a solo de Lucio Dalla ao vivo no Estádio de San Paolo, no melhor napolitano e com uma apresentadora de luxo. Ah!, la bella Italia...

AGORA QUE O SOL ESPREITA


Aqui onde o mar resplandece

E sopra forte o vento,

Num velho terraço, em frente ao Golfo de Sorrento....

OS RECADOS

Mário Soares veio criticar a postura de José Sócrates. Ao aconselhar o primeiro-ministro a ouvir e dialogar, mudando a sua atitude - o que não deverá ser fácil ao fim de 4 anos de maioria absoluta -, não podia ser mais claro no recado que enviou para dentro do partido e do Governo. Augusto Santos Silva dirá que o número não é sinal de qualidade e que os que estão na rua são os mesmo de sempre arregimentados pelo PCP e pela Intersindical. Certamente não andará longe da verdade, mas isso não esconde o facto de que não é preciso "andar na rua" a empunhar um cartaz para avaliar o estado do país. Mas se se fizer uma leitura conjunta das declarações de Soares e do que Manuel Alegre veio dizer, sublinhando de forma mais veemente aquilo que há muito aqui se escreve e que eu não me canso de repetir dentro do PS, ao afirmar que o "combate à corrupção e à promiscuidade entre partidos políticos, autarquias, Estado e mundo empresarial é um dos pilares da reforma da política", exigindo "regras legais claras, meios de fiscalização eficazes e efectiva sanção penal de quem pratica tais actos" e referindo que "a melhor forma de combater a corrupção é promover a transparência das decisões dos poderes públicos, o escrutínio da utilização dos dinheiros públicos e o reforço da capacidade de fiscalização, controle e participação cívica dos cidadãos", talvez se perceba melhor a razão para a incomodidade desses dois históricos do PS. Ao dizer o que disse, Alegre voltou a demonstrar que não está a dormir e mostra vontade para liderar a mudança, colocando de novo o dedo no cancro da especulação imobiliária e nas decisões administrativas das autarquias e da administração pública que permitem a acumulação e geração de mais-valias especulativas à custa da comunidade e com prejuízos para todos. E que fique claro que não me refiro só ao Freeport. Os exemplos que diariamente continuam a chegar de Espanha, sendo que o mais recente foi o da detenção da alcadalesa de La Muela, não podiam ser mais expressivos quanto à necessidade desse combate e da absoluta necessidade de criminalização dos delitos de natureza urbanística, retirando-os de uma vez por todas do campo das contra-ordenações. Se igual rigor ao que as autoridades de Espanha colocam nesses combates já tivesse sido posto em campo entre nós, talvez hoje a Câmara de Vila Real de Santo António não fosse utilizada como megafone informativo do Povo Livre, substituindo-se ao órgão oficial do PSD.

terça-feira, março 17, 2009

UM PAPA OBSCURANTISTA

As declarações de Bento XVI proferidas no avião a caminho dos Camarões, reflectem o retrogradismo militante do actual chefe da Igreja Católica. Dizer que a distribuição e utilização de preservativos em África contribui para o agravamento do problema da SIDA começa a raiar a idiotia. De igual jaez só mesmo as declarações que Robert Mugabe fez sobre a mesma questão. Bento XVI estaria melhor no tempo da Inquisição. Ele é cada vez menos um Papa para o século XXI e cada vez mais um fantasma saído das trevas da Idade Média. Pobre rebanho. Para o que havia de estar guardado.

PERGUNTA OPORTUNA

Do artigo de Moisés Naím na edição de 15 de Março do El País (Sobrevivirán las democracias a la crisis?):

"La gran interrogante es si la furia social y politica causada por los problemas económicos se llevará or delante sólo a algunos gobernantes de turno o si la democracia terminará siendo una de las víctimas de la crisis financiera. Hoy existen 90 naciones democráticas. Cuàntas quedarán después de esta catástrofe?"

COMEÇAR PELO FIM

A líder do PSD queixa-se de que ninguém dá ouvidos as suas propostas. É natural. Aquilo que é normal é que primeiro as suas propostas sejam sufragadas em eleições, depois votadas favoravelmente pelo eleitorado e por fim acolhidas num programa de governo apreciado pela Assembleia da República. A Drª Manuela tem primeiro de convencer o eleitorado da bondade das suas propostas. A não ser que para a Drª Manuela Ferreira Leite faça sentido que o partido que goza de maioria absoluta e que viu o seu programa apoiado maioritariamente pelos portugueses, tenha de passar a acolher as propostas que o PSD não conseguiu fazer vingar nas urnas para assim lhe fazer a vontade. Mas nesse caso o PS teria também de passar a acolher as propostas de todos os outros partidos e as eleições tornavam-se dispensáveis. Bastava arranjar mais uma comissão que agregasse as diversas propostas e lhes desse forma. Ou a líder do PSD não está a ver bem as coisas ou este é ainda um desenvolvimento daquela ideia peregrina da suspensão da democracia durante seis meses para se poderem fazer reformas.

segunda-feira, março 16, 2009

MAIS UM LIVRO A TRADUZIR

Advogado, autor de um blog, onde escreveu sob pseudónimo, editou um livro que está ser um sucesso. Chama-se Federico Baccomo, tem 30 anos, e segundo ele escreveu um livro para contar algumas verdades sobre os advogados, sobre o seu cinismo. Eu que não sou cínico, mas conheço uns quantos, gostava de ver este e outros livros da nova edição italiana traduzidos e publicados para português. Será que o Guilherme Valente e a Gradiva não querem fazer uma aposta num jovem autor?

E AGORA QUIQUE?

Espero que dois dias depois este tipo já tenha percebido a razão para 47.000 assobios. De outro modo, só lhe restará aproveitar a deslocação ao Algarve, no próximo fim-de-semana, para ir preparando o desfile da Semana Santa. Em Sevilha até poderá desfilar com o Vieira. Basta meter-lhe um capuz e dar-lhe uma cruz. No meio da multidão ninguém notará, e ambos poderão lavar a alma e expiar os seus pecados. Sem mais assobios.

A LER: THE MACAU PRECEDENT

"Macau doesn't boast as robust a democratic movement as Hong Kong enjoys. That's partly the fault of Macau's former Portuguese masters, who tried to hand the territory back to Beijing as early as 1974. It's also due to a limp press and the overwhelming influence China exerts over the territory's tiny economy. The Macau Article 23 precedent shows how fragile the protection of civil liberties is in today's China. Hong Kongers should beware" - no Asian Wall Street Journal, via O Protesto, do Nuno Lima Bastos.

domingo, março 15, 2009

MACAU

Esta notícia vem confirmar os meus receios anteriores. A minha dúvida é agora a de saber se a Lei de Segurança Interna viola, ou não, o ponto 2 (4) da Declaração Conjunta do Governo da República Portuguesa e do Governo da República Popular da China sobre a Questão de Macau:"Os actuais sistema social e económico em Macau permanecerão inalterados, bem como a respectiva maneira de viver; as leis vigentes manter-se-ão basicamente inalteradas. A Região Administrativa Especial de Macau assegurará, em conformidade com a lei, todos os direitos e liberdades dos habitantes e outros indíviduos em Macau, designadamente as liberdades pessoais, a liberdade de expressão, de imprensa, de reunião, de associação, de deslocação e migração, de greve, de escolha de profissão, de investigação académica, de religião e de crença, de comunicações e o direito à propriedade privada". Até que ponto, impedir o contacto dos cidadãos de Macau com jornalistas, académicos e políticos de Hong Kong, que sempre tiveram livre acesso a Macau e são agora impedidos de fazê-lo, e impedir o livre intercâmbio político, social e cultural com o vizinho território de Hong Kong, o que é feito ao abrigo da nova Lei de Segurança Interna, não constitui uma violação da Declaração Conjunta?

sexta-feira, março 13, 2009

NOMEAÇÕES DE TARAR

A avaliar pelo que andou a fazer em Macau, onde serviu Rocha Vieira e Salavessa da Costa de forma quase perfeita em matéria de propaganda e fretes, a nomeação deste afilhado de Leonor Rocha Vieira para presidente da Agência Lusa não augura nada de bom. Curiosamente, as suas funções de Director do Gabinete de Comunicação Social do Governo de Macau, por vergonha ou esquecimento, são omitidas no pormenorizado currículo que a Lusa publica no seu site. Recorde-se que Afonso Camões foi um dos colaboradores mais próximos de Rocha Vieira na luta deste contra uma imprensa livre em Macau, cortando subsídios aos jornais que não faziam fretes, sugerindo a extinção de jornais portugueses e defendendo que os jornalistas deviam negociar com o Governo e depois juntarem-se para formarem um único jornal. A jornalista Clara Gomes não se esqueceu de referi-lo na dissertação que apresentou na Universidade de Leicester. Depois da integração de outro homem que andou por Macau e pelo gabinete de Rocha Vieira (José Carlos Vieira) na Presidência da República, é caso para dizer que há lobbies que não dormem. Ah, também é amigo de José Sócrates? E é de Castelo Branco? É um tipo porreiro? E isso chega? É verdade que não tenho nada contra o Afonso Camões e até posso ter alguma simpatia por ele, mas tenho boa memória e a defesa da minha liberdade tem-me custado muito caro. Além de que, sendo socialista, não faço parte de nenhum grupo e não gosto que façam de mim parvo. Depois não digam que a culpa é do Pacheco Pereira.

INSERÇÃO SOCIAL DA CORRUPÇÃO

Enquanto neste país houver uma tão grande condescendência com a corrupção e os casos em que esta esteja presente forem tratados como se fossem multas de trânsito por estacionamento proibido, não se irá a lado algum. Mas depois de aqui há dias se ouvir o que disse o juiz-conselheiro Mortágua a propósito dos árbitros, já ninguém se pode admirar com isto. Vivem todos na paz do Senhor.

quinta-feira, março 12, 2009

FARO EM MOVIMENTO



Para quem pensa que em autarquias semi-falidas não se faz nada porque não há dinheiro, Faro é o melhor exemplo de que ainda há nas autarquias quem seja capaz de fazer obra útil com poucos ou nenhuns meios. Depois de há umas semanas atrás José Apolinário ter estreado um novo visual, como que a anunciar ideias mais arejadas, um novo élan e um fôlego renovado para projectar a cidade no seu segundo mandato, eis que pela primeira vez no Algarve, para satisfação de quem se preocupa mais com a transparência e a lisura de processos do que com a propaganda provinciana, e considera a renovação urbana e o ambiente prioridades indiscutíveis, foram hoje integralmente colocados on-line e estão aqui disponíveis para quem queira consultá-los, os Planos de Ordenamento do Território. Também hoje foi inaugurada no Museu Municipal de Faro a exposição "Património Mundial de Macau", organizada pelo Centro de Promoção e Informação Turística de Macau em Portugal. A exposição estará patente até 12 de Abril e visa sublinhar a inclusão de Macau na lista do património histórico da UNESCO. Ou eu me engano muito ou anda aqui mão de quem sabe.

CHUMBADO

Ao mesmo tempo que a líder do PSD acusa José Sócrates de incompetência, o que como todos sabem tem tido um efeito devastador nas sondagens, o Tribunal de Contas chumba as contas da gestão Santana Lopes na Câmara de Lisboa. Falta de transparência, falta de controlo, atribuição de subsídios sem critério, etc. Enquanto Santana não vem vitimizar-se, seria bom que a presidente do PSD se pronunciasse sobre a gestão do seu escolhido para a Câmara de Lisboa. António Costa não devia estar a contar com mais este brinde do menino-guerreiro.

quarta-feira, março 11, 2009

ESTÁ TUDO DITO

As declarações do Procurador-Geral da República proferidas na Assembleia da República sobre a proposta de lei relativa à violência doméstica, declarações que podem ser aqui escutadas, dizem tudo sobre a forma como se preparam as leis neste país e como são escolhidos os "juristas" que as fazem. O mínimo que se pode dizer é que quem a elaborou não sabia nem português nem Direito, e que quem a leu, aprovou e enviou naquele estado, não tinha competência para avaliá-la. Um mimo.

FORAM A MUNIQUE LAVAR A IMAGEM...

... e levaram um banho tão grande que aquilo parecia um dilúvio. Eles lá sabem porque não lhes basta tomar banho em casa. Depois deste resultado, a próxima emissão do Governo Sombra vai ser de gritos.

EU SABIA...

... que mais dia menos dia eles iriam bater o recorde da eliminatória com o Celta de Vigo. E num palco a condizer, para toda a Europa poder apreciar. De qualquer modo, continuo a pensar que há ali uma série de rapazes que ainda podem vir a ser bons profissionais. Na Lúcia Piloto terão sempre uma porta aberta para darem largas ao seu talento e imaginação.

terça-feira, março 10, 2009

50 ANOS DE LUTA

Passa hoje mais um aniversário sobre a ocupação do Tibete por tropas chinesas e a fuga do Dalai Lama. São 50 anos de luta contra a barbárie, contra a ocupação, pela defesa da liberdade e da identidade tibetana. E a luta vai continuar.

AS DECLARAÇÕES DE JOSÉ LELLO

As declarações que José Lello proferiu sobre Manuel Alegre já fizeram correr muita tinta. Mas talvez ainda não tenha sido tudo dito. O comportamento de Alegre pode ser livremente apreciado por qualquer pessoa, mesmo por qualquer não militante do PS. Era escusado Lello vir dizer o que disse sobre Manuel Alegre. Deste ainda se conhece obra. Daquele, para além de ser famoso por pertencer ao clã do Bessa, onde pontificavam esses nobres exemplos de educação, cultura, transparência e civilidade para a democracia portuguesa que são os Loureiro, pai e filho, sabe-se que fez carreira na politica. Por isso mesmo, as suas declarações terão de ser devidamente contextualizadas. Mesmo sem querer, ao ouvir as declarações de José Lello lembrei-me de uma célebre passagem de Antero de Quental no discurso de 27 de Maio, na sala do Casino Lisbonense: "Há em todos nós, por mais modernos que queiramos ser, há lá oculto, dissimulado, mas não inteiramente morto, um beato, um fanático ou um jesuíta! Esse moribundo que se ergue dentro de nós é o inimigo, é o passado. É preciso enterrá-lo por uma vez, e com ele o espírito sinistro do catolicismo de Trento". José Lello devia enterrar o jesuíta que tem dentro dele. Se não o conseguir, estou certo que José Sócrates perdoar-lhe-á. E nós também, que aos poucos vamos conhecendo as fraquezas humanas. A cada um o seu Deus.

sexta-feira, março 06, 2009

E AOS COSTUMES DISSE NADA

O Conselho Superior de Magistratura devia esclarecer-nos sobre qual deverá ser a atitude a tomar por um juiz quando tem conhecimento da existência de casos de corrupção: deve denunciá-los ou silenciá-los, contribuindo para a mantuenção do lodaçal em que medramos? Que fez este juiz-conselheiro quando teve conhecimento dos factos que relatou em audiência? Com amigos destes Pinto da Costa ainda vai ser canonizado. Se alguma coisa sair viva deste pântano não será seguramente a Justiça.

ARRIEIROS DE CLASSE

Todo o país já se tinha apercebido da categoria - educação, qualificações, competências, inteligência, bom senso e carácter - de alguns dos nossos titulares de cargos políticos, em especial dos deputados. Que o nível dos debates parlamentares nem sempre era o mais esclarecedor já todos sabiam. Mas faltavam as cerejas (aqui no sentido de "excrescência carnuda e vermelha no casco das bestas") para darem mais cor à coisa. E elas chegaram ontem. Convenhamos que mandar os colegas para o "c........", com todas as letras, repetidamente, e ainda oferecer-se para um arraial de pancadaria fora do hemiciclo bateu todos os recordes. O deputado do PP Diogo Feio, a avaliar pela expressão televisiva, deve ter ficado com a boa cheia de moscas. Bem sei que há estrebarias onde os arrieiros se relacionam com mais moderação, designadamente quando estão na presença de senhoras, mas infelizmente nem todos podem ser iguais. Pelo menos desta vez os contribuintes ficaram a saber que alguns dos seus deputados usam o dinheiro dos impostos para enriquecer o léxico parlamentar. E ainda há quem fale do que se passa na Guiné-Bissau...

P.S. Jaime Gama devia arranjar um aparelho para a surdez, de maneira a poder intervir prontamente e a manter a ordem em ocasiões como a de ontem. Com a sua idade não é normal um grau de surdez tão avançado.

terça-feira, março 03, 2009

SALÃO DE GENEBRA 2009

(Infophoto)
Numa altura destas, com a crise que por aí anda, não vale a pena fazer comentários. É sonhar e ponto final.

SEM MEIAS PALAVRAS

Eis José Mourinho em grande forma no Calcio, semeando ventos e tempestades. Um verdadeiro snipper a atirar a torto e a direito. A Juventus não gostou e já pediu ao Inter para se demarcar das declarações do seu técnico. Resta aguardar pela reacção da Federação Italiana.

segunda-feira, março 02, 2009

A LER

(foto AFP)

Enquanto o Porto se prepara para abrir falência, é de ler a entrevista de Luís Figo ao El Pais. Rui Costa sempre foi, e é, o exemplo a seguir, mas o seu amigo Figo continua a destilar classe e profissionalismo. É bom sabê-lo.

OFFSHORES

E que tal sermos nós a dar o exemplo? Falar não custa, difícil é apenas dar o primeiro passo.

A PROPÓSITO DE REGIONALIZAÇÃO

(graças à perspicácia do amigo Marco M.)

Rua de Santo António, Faro, domingo, dia 1 de Março de 2009.

NO PSD/ALGARVE HÁ CUBOS DE QUATRO FACES!

O interessante semanário regional que é agora distribuído com o Expresso no Algarve, insere um artigo ("Os quatro lotes de Kubrick") do presidente do PSD-Algarve, em que este, no estilo caceteiro e demagógico a que nos habituou, e que o guindou à liderança desse partido, lança mais um dos seus descabelados ataques contra o centralismo, pensando que com isso está a defender a regionalização. O problema é que, a ser verdade o que ali se escreve sobre a inexistência de uma única empresa construtora no Algarve com alvará suficiente para poder concorrer às obras de recuperação e modernização do parque escolar, isso não é culpa do poder central, mas da falta de iniciativa dos empresários da região que tendo poder económico preferem o lucro fácil e sem responsabilidades ao investimento sustentado e a longo prazo. Aliás, se há empreiteiros de Braga e de outros locais do norte do país a fazerem obras em Almancil e a construirem marinas no Algarve, e se a inversa não acontece, não é porque aqueles sejam a imagem de marca do centralismo ou à sua sombra se alberguem "nomes sonantes da política nacional, a ganhar fortunas colossais para exercer magistrado [ou quereria dizer magistratura?] de influência". Como de costume, o mesmo político que em tempos comparou a acção da ASAE à da PIDE, não é capaz de dar um único exemplo. Atacar os "PIN" e o centralismo de Lisboa é fácil e dá votos, em especial quando se sabe que há quem prefira investir em carnavais, hóteis e empreendimentos já em funcionamento, para já não falar em lojas de trapos, por sinal nas mesmas grandes superficies comerciais que se ataca e que se diz esmagarem o pequeno comércio, do que em constituir uma empresa com capacidade para realizar as obras que estão em causa em todo o Algarve. É fácil atacar quando não se sabe construir. Por isso é também natural que quando se escreve para meia dúzia de acólitos acéfalos esse tipo de "prosa" seja suficiente para garantir mais umas palmadas nas costas, uns almoços e jantares, e assegurar mais alguns votos. Mas partir do princípio de que todos os leitores d' O Algarve se medem pela mesma bitola é que me parece excessivo. Para o líder do PSD Algarve é que não. Talvez por isso ele remate o seu belo artigo com a descoberta de que o cubo de Kubrick tem 4 faces. Com efeito, escreve o político/artista/poeta que "como um cubo de Kubrick, cada movimento, uma mesma conjugação diferente, o mesmo resultado. (...) São quatro lotes, quatro, como as faces do cubo de Kubrick. Todas com as cores do centralismo. Percebem agora, porque esta gente foge da regionalização como do diabo a sete pés?". O problema é que as pessoas não fogem da regionalização, mas sim de uma "regionalização" imposta às três pancadas apenas para garantir mais uma dúzia de tachos aos amigalhaços, feita por políticos demagogos e mal preparados como o presidente do PSD-Algarve. Os portugueses já se tinham apercebido de que o senhor deputado não sabia os tempos verbais quando em plena Assembleia da República trocou um "interveio" por um "interviu" e não percebeu a cínica gargalhada dos seus pares. História também já se vira que não sabia, pois de outro modo não teria tomado a ASAE pela PIDE. Agora, numa descoberta que lhe poderá seguramente valer o Nobel, o homem proclama em letra de forma que um cubo tem quatro faces. Quatro, diz ele com toda a petulância, como o cubo de Kubrick! Anda um tipo a vida toda a aprender que um cubo é um sólido geométrico com oito vértices, doze arestas e seis faces, para logo depois vir o presidente do PSD-Algarve dizer que tem quatro faces. Essa ainda Kubrick não descobrira. Mas quando a demagogia é mais que muita e se toma os portugueses, os algarvios e os leitores do jornal por taberneiros e mentecaptos, que se babam quando ouvem falar de regionalização, é natural que também não seja preciso saber geometria. Nem geometria nem coisa nenhuma.


P.S. Em tempo oportuno, o meu amigo Fernando M. recordou-me que se o articulista se queria referir a um famoso cubo de faces coloridas, esse era o de Rubik, e não do tal Kubrick que, seguramente, não terá nada a ver com um conhecido realizador de cinema.