sábado, março 31, 2012

Comparações

"Enquanto hesitar, Seguro continuará refém de uma bancada parlamentar que suspira por Sócrates. Se quiser sobreviver, tem de optar pela rutura e deixar muita gente pelo caminho. É a vida. (...)
António José Seguro ainda não percebeu onde se enfiou. Hesita entre as viúvas de Sócrates e o memorando da troika, entre esquerdistas bissextos e a UGT, entre esperar pelas decisões do Governo e impor negociações. Para sobreviver tem de fazer uma rutura clara com o passado recente e escolher um rumo." - Ricardo Costa, Expresso, 31/03/2012 


"- Um grupo parlamentar talhado à medida da débâcle e do tenebroso "aparelho" que o manteve à tona, iludido e convencido de si;
- Um partido centralizado, acomodado, manietado, silencioso e acrítico, do tipo "Maria vai com as outras", que não honra a tradição republicana e socialista;
- Um núcleo subserviente, agarrado como uma lapa à figura do líder e onde qualquer olhar crítico é visto como um acto de rebeldia, de falta de solidariedade e de lealdade para com quem manda;  
- Um futuro líder agrilhoado a um conjunto de deputados (nem todos) eleito em 5 de Junho, que tudo fará para que qualquer alternativa à sucessão saia de um dos seus, obrigando o futuro líder, se quiser aspirar a uma liderança efectiva, a ter de contar com eles, com as suas manobras de bastidores, cliques e egoísmos para reconstruir o partido na Oposição" - Sérgio de Almeida Correia, Delito de Opinião, em 06/06/2011

sexta-feira, março 30, 2012

A ler

"A reconciliação interna do PS como a reconciliação do PS com os portugueses pedem mais do que uma 'autocrítica'. Pedem um destino. E que destino nos pode o PS agora oferecer?" - Vasco Pulido Valente, Público, 30/03/2012

Títulos (1)

"Economia estagna em 2013 e Portugal perde mais 200 mil empregos

Mantém-se a tendência de revisão em baixa das previsões do crescimento do banco de Portugal. Uma recessão mais profunda do que o esperado já custou 520 milhões de euros às contas do Estado" - Público

quarta-feira, março 28, 2012

País de pacóvios

Em Macau, nos tempos da Administração Portuguesa, houve uma paragem de autocarro, doada por uma instituição filantrópica, que foi inaugurada por um Secretário-Adjunto do Governador de Macau. Ou seja, pelo equivalente ao nosso ministro dos Transportes. Mesmo em Macau o assunto foi tema de comentário político e gozo generalizado. Mais de uma década depois a história repete-se.
Agora temos um ministro - o ministro da Economia e do Emprego, segundo reza a notícia - que acompanhado de dois secretários de Estado Adjuntos - respectivamente, da Economia e Desenvolvimento Regional e o do Emprego -, e de provavelmente meia-dúzia de deputados, autarcas e dirigentes partidários, vai inaugurar, isto é, patrocinar, a reabertura de um supermercado remodelado da cadeia Alicoop/Alisuper.
Acho muito bem que se recuperem empresas falidas, que se criem novos e se mantenham os poucos postos de trabalho ainda existentes, mas associar três membros do Governo, sendo um deles o ministro, à reabertura de um supermercado junto de um aldeamento turístico de luxo, parece-me excessivo.
Não sei se o ministro da Economia possui algum estudo que revele dados sobre a recuperação económica do Algarve na próxima década que sejam desconhecidos dos portugueses, mas gastar gasolina e portagens e um bom par de horas de trabalho para vir a um Algarve cada vez mais triste, desertificado, falido e com mais de 20% de desempregados, para inaugurar uma tabanca sem dimensão ou qualquer significado, fora dos grandes centros e que irá servir prioritariamente gente que compra e arrenda casas em Vale do Lobo, como Cristiano Ronaldo ou Louis van Gaal, é de todo desajustado. Se a coisa for para continuar, um destes dias tê-lo-emos a inaugurar bares de praia.
Se o homem em vez de fazer discursos com um brilhozinho infantil nos olhos para atacar o passado que ficou morto e enterrado em 5 de Junho de 2011, e de anunciar investimentos megalómanos em minas, que não se concretizam, e inaugurar supermercados (qual vai ser o salário médio daqueles que ali vão trabalhar?), se dedicasse a produzir algo de mais útil para o nosso futuro não seria mau. É triste dizê-lo, mas parece que há qualquer coisa que não funciona naquelas cabecinhas. As prioridades desta gente estão cada vez mais distantes das do país real e dos portugueses.

domingo, março 25, 2012

Requiem



Eu prefiro a angústia à paz podre, (…), entre as duas coisas prefiro a angústia

Apresentou-se-me com as suas crónicas há um bom par de décadas. Li as publicadas em jornais, uns nossos, outros que me chegavam, e um ou outro texto rápido que amiúde surgia. Apaixonava-me a forma cristalina e a um mesmo tempo subtil como atraía a nossa atenção para as coisas simples da vida. As coisas que fazem dela um drama, uma luta permanente e um mar de alegrias e emoções. E confesso que foi, paradoxalmente, graças ao engenho da professora Lucia Margutti, ao ler a tradução italiana do seu primeiro romance escrito integralmente em português, Requiem, que me apercebi da genialidade da obra e me interessei por conhecer o homem por trás dessas linhas.

Mais do que um cultor da palavra, um esteta da alma humana, um académico, um pensador, um dramaturgo e romancista internacionalmente premiado e reconhecido, ele foi, é, e será sempre para mim uma espécie de Fernando Pessoa a falar italiano. Talvez porque, como ele próprio escreveu, o seu pai não conhecesse nenhuma língua estrangeira e a língua da sua infância tivesse sido “um toscano rústico marcado por entoações e por um léxico dialectal típicos da região de Pisa e Lucca” é que tenha sido capaz de, tal como o Sol, se colocar atrás da montanha para aos poucos a ir iluminando até surgir por cima dela, dando cor, luz, espaço e profundidade às tonalidades da voz e do sonho. Como poucos soube dar à voz humana a dimensão de um arco-íris, tornando reais as suas entoações. As suas emoções.

Da “Piazza D’Italia”, seu primeiro romance escrito em 1975, passando pel’“O jogo do reverso”, “Nocturno indiano”, o fabuloso “A Mulher de Porto Pim”, homenagem aos Açores, às baleias e aos baleeiros, ou pela “Afirma Pereira”, sem esquecer as peças de teatro e os ensaios que nos legou, fosse na corajosa defesa da democracia e da liberdade numa Itália acossada pelo berlusconismo, o que lhe trouxe alguns dissabores, o que para mim fica de toda a vasta e erudita obra de Antonio Tabucchi é o Requiem e a tradução para italiano de toda a obra de Fernando Pessoa.

Portugal estava escrito na sua “bagagem genética” e ele soube como poucos, muito poucos, mostrar que “às vezes uma sílaba pode conter o universo”, da mesma forma que Pessoa nos ensinou que podemos ter em nós todos os sonhos do universo e ser plurais como ele.

A Europa das nações, do pensamento livre, a Itália das artes, o mundo culto e civilizado dos simples e discretos, a literatura, a poesia, o teatro, o Portugal de “A Bola”, o Benfica, todos perderam hoje um dos arquitectos contemporâneos do universo.

O último homem que sabia escrever na língua dos sonhos decidiu ir tomar um café com Pessoa. Ele foi o mais português dos italianos. Morreu o maior escritor português da língua de Dante.

Se eu mandasse, e os italianos me desculpassem, o “gajo” iria para o Panteão Nacional. Tudo o que seja menos do que isso só pode revelar desconhecimento e ignorância pela sua importância para Portugal e os portugueses.  

sexta-feira, março 23, 2012

É a vida

Renascença V+Ver todos os videos
Mal-estar no PSD. Capucho e Rio ausentes do congresso
V Mais Informação | 23 Março 2012

Rádio RenasceçaMais informação sobre este video
Faz hoje um ano. Aos homens de Sócrates sucederam os de Passos Coelho. A José Lello sucedeu Miguel Relvas. Manuel Pinho passou a chamar-se Álvaro. Os Valteres chamam-se agora Rosalino, Júlio ou Moedas. Teixeira dos Santos virou Gaspar. O Presidente da República deu lugar a um funcionário público agastado e poucochinho. O Lima mantém-se em Belém. Os comentadores residentes também. No futebol e na política. Os congressos "kimilsunguistas" da era Sócrates tornaram-se nos congressos "kimilsunguistas" da era Passos Coelho. A Passos Coelho sucedeu Seguro. Jota por jota. Os boys Armani foram trocados pelos jotas Decénio. E as girls são mais assépticas, com ar de teenagers e vozinha esganiçada. Tirando isso, o desemprego aumentou, os impostos e as portagens também, a receita fiscal diminuiu, 150.000 decidiram emigrar e os que tinham vindo para cá regressaram aos países de origem. Os economistas continuam a sonhar com o regresso aos mercados. Mas a EDP, a Galp e a PT estão mais ricas. Vale e Azevedo continua em Londres a passear de Bentley. Paulo Portas viaja mais e com mais estatuto. A blogosfera está mais triste. Os críticos tornaram-se "Abrantes", os "Abrantes" viraram críticos. A polícia de choque voltou às ruas. A RTP e a Antena 1 estão mais obedientes. A LUSA abana o rabo. A regionalização está ferida de morte. Foi trocada pela lusofonia com sotaque angolano e brasileiro. Os ministros rezam. Os que sabem. Alguns nem isso. Outros por chuva. Outros que não são ministros pela justiça que tarda. Auto-estradas na justiça fiscal só para quem tem milhões. Mesmo que depois os ponha na Holanda. Os pobres que se lixem. A pobreza nunca foi prioritária. Só a "chico-espertice". As púdicas virgens querem que o SNS poupe nos abortos. Eu também. Nesses e nos outros. A arbitragem no futebol está como estava. A liga de clubes é que perdeu cabelo; embora já escreva comunicados cheios de maiúsculas "a bem do Futebol". O QREN está às moscas. O TGV agora chama-se ASP de bitola europeia. Um emplastro de ontem é uma aventesma de hoje. O partido das becas está cada vez mais activo. Não tarda elege deputados. O nosso Di Pietro chama-se Martins. Não é grave. Entre nós isso dá-lhe mais tempo de antena do que ao italiano. O país, esse, está cada vez mais pobre. Os portugueses invariavelmente tesos. As moscas mudaram para que depois do processo de reformas em curso (PREC) tudo  ficasse irreconhecível. Mas na mesma. Não ficou. O cheiro é o mesmo. A quantidade não. Aumentou. Espalhou-se. Foge pelas listas da Segurança Social e o obituário hospitalar. Pelos buracos territoriais da nova lei autárquica. Um ano depois a realidade de Lampedusa foi encadernada para distribuir pelos membros do Governo em papel couché. O cheiro do papel disfarça outros menos agradáveis. A fraude perfumada tem mais estilo. E nos intervalos joga-se matraquilhos. Recebe-se o Hermínio, pois claro. Enquanto o Hermínio ajeita as calças o fotógrafo regista o momento. Foram-se os cromos. Ficámos com os trocos. E sem a bola. É a vida.

A ler


"Mas nada explica que a Procuradoria-Geral da República e os tribunais tomem sobre si o encargo de fazer justiça em matéria política: um serviço que obviamente lhes não compete e que, levado ao extremo, pode alterar o equilíbrio constitucional da República".

quarta-feira, março 21, 2012

Evocação

Cada dia que passa percebo um pouco melhor o quanto é difícil chegar aonde chegaste, recordando sempre a tua condução no Mundial de Karting de 1979. E mais te admiro.

Recordar é viver

Dedicada ao Adolfo Mesquita Nunes, de quem espero que recorde isto a Paulo Portas, tanto mais que a gasolina 95, em Faro (nunca percebi porque aqui pagamos mais pelos combustíveis), já está em € 1,729 e competitividade é coisa que o ministro "Álvaro" não consegue devolver, nem às empresas do Algarve nem a nenhumas, preocupado como está com as privatizações que aí vêm e que vão dar dinheiro a ganhar aos amigos angolanos e brasileiros.

Vesgos e mal formados

SLB - 3   FCP - 2

Há três semanas não viram um golo, que lhes deu a vitória, marcado em claríssimo fora-de-jogo, e acharam normal que assim tivesse sido. Ontem, depois de três bolas nos ferros e de terem marcado dois golos com a inequívoca "colaboração" de dois jogadores adversários, numa clara demonstração de que a sorte não estava com os melhores nem com os mais talentosos, foram incapazes de reconhecer a sua pequenez. Que o jogo "não era prioritário", que a Taça da Liga não tinha grande interesse, disseram eles depois do jogo. Mas na hora do apito final vieram logo a correr atirar-se ao árbitro. Estranhos padrões estes em que só são prioritárias as competições em que ainda não foram eliminados e em que os árbitros só são maus quando perdem.
O futebol está cada vez mais parecido com a política. Enquanto o futebol português estiver nas mãos de montanheses vesgos e mal formados será muito difícil sair da cepa torta. 

segunda-feira, março 19, 2012

Razão e Liberdade

"Madison aborda a existência dos partidos num sentido moderno, destacando-os como organizações emergentes de um tecido social vivo e aberto, que assim dinamiza a esfera pública. Este labor processar-se-ia num contexto sócio-político orgânico, onde os partidos se integravam como ideias, propostas e tendências, estimulando e revigorando um debate do qual resultariam políticas que agiam directamente sobre a sociedade e a partir dessa mesma sociedade, com a qual os órgãos políticos estão afinal em permanente diálogo. Neste esquema, os partidos ocupariam, por conseguinte, um papel indispensável como impulsionadores da discussão pública e como mediadores entre o indivíduo comum e as cúpulas dirigentes da acção política".

O pequeno excerto que acima transcrevi diz muito sobre aquilo que é e continua a ser uma concepção moderna do papel dos partidos e aquilo que eles hoje não fazem nem se têm mostrado à altura de saber fazer para preservarem e melhorarem a qualidade da democracia.
O prof. José Gomes André, autor do livro que vêem na foto, teve a simpática lembrança de me convidar para a apresentação do seu livro, que hoje terá lugar em Lisboa, na FNAC do Centro Colombo, pelas 18.30. O prof. Viriato Soromenho-Marques fará a apresentação, tendo sido quem também já prefaciou (não confundir com outras coisas sem pés nem cabeça a que chamam "prefácio") obra tão notável quanto invulgar pelo tema, clareza e sentido de oportunidade no panorama da Ciência Política portuguesa.
Como ali se escreveu, Razão e Liberdade constitui o mais importante estudo alguma vez publicado em língua portuguesa sobre o pensamento de James Madison, o 4º presidente dos Estados Unidos da América, e um "dos mais significativos" publicados "na última década em qualquer parte do mundo".
Tenho admiração pelo trabalho e estima pessoal pelo autor, que conheci graças à iniciativa do comum amigo Pedro Correia, que fez o favor de nos juntar no Delito de Opinião, e a quem daqui também envio uma saudação. Mas, infelizmente, o facto de actualmente viver longe de Lisboa e de ser cada vez mais difícil para os independentes a subsidiação dos combustíveis e das portagens do Dr. Gaspar, impedem-me de poder estar presente. Não será, porém, por esse facto, que deixarei de aqui registar o facto e de apelar à leitura e divulgação de tão importante e generosa obra, indispensável num momento de acesos ataques contra o republicanismo, a liberdade e os valores mais fundos de uma cidadania responsável, ataques que vêm de todos os quadrantes e contra os quais os principais partidos políticos portugueses não têm, em razão de lideranças fracas e incultas e de uma absurda coligação de interesses perniciosos, sabido responder.

sexta-feira, março 16, 2012

A ler

"O regime vai caindo diariamente, sem grande sobressalto (e sem grande interesse) do país, como se o seu fim fosse uma conclusão esperada e até bem-vinda. No meio disto, o sr. Presidente da República, sem que nada aparentemente o obrigasse, resolveu publicar a sua autojustificação e o seu auto-elogio, com o propósito ostensivo de provar a sua refulgente virtude e de prometer que seria no futuro tão imparcial e legalista como tinha sido no passado.

Quem leu essa intrigante peça de prosa (que ele obviamente não escreveu) ficou, pelo menos, com duas perguntas. Primeira, por que razão decidiu agora acusar o defunto Sócrates de "uma falta de lealdade", que a pobre "história da nossa democracia" não deixará de "registar"? Segunda, porque lhe pareceu necessária neste particular momento a defesa de cada acto da sua passagem por Belém? Quanto a Sócrates, não há dificuldade em responder: um homem que foi "desleal", com o Presidente, está para sempre fora da politica. Quanto à intempestiva apologia que envolve e completa o assassinato, é uma absolvição plenária de qualquer responsabilidade que lhe possam atribuir na crise.

É já amanhã

Em fim-de-semana de início do Mundial de F1 (Melbourne) e do Campeonato Superstars (Monza), vai correr-se o 1º Grande Prémio de Resistência do Indoor de Olhão. O Cascais South Winds Racing Team vai fazer a sua estreia em competição e esperam-se grandes tempos do bólide que será pilotado pelos experientes Paulo Jorge Vicente e Fernando Fevereiro Mendes, aos quais eu me associarei como 3º piloto. Serei o "rookie" da equipa e espero humildemente aprender alguma coisa e contribuir para o sucesso do CSW (nada de confusões com CSI) antes de Luca di Montezemolo me oferecer um contrato vitalício com os meus amigos da AF Corse. Será a partir das 16h e deverá estar concluído pelas 19 h.

quinta-feira, março 15, 2012

Um texto notável de Stefano Rodotà

Tem por título "Questão moral, último acto" e foi publicado no La Repubblica de segunda-feira passada, dia 12 de Março. Li-o no avião e estava a ver como seria possível digitalizá-lo para o levar até vós quando percebi que o seu impacto foi tão grande na sociedade italiana que é possível lê-lo em vários locais, da resenha de imprensa do Ministério da Defesa italiano até à página do Partido Democrático, passando por inúmeros blogues e páginas de jornalistas. Mais importante, ainda, porque o autor não se esqueceu de sublinhar as palavras do cardeal Tettamanzi ao deixar a importantíssima diocese de Milão: a de que nada se aprendeu com a operação Tangentopoli porque a questão moral continua a ser decisiva.
As semelhanças entre o que aconteceu em Itália e o que de há uns anos a esta parte se vive em Portugal exige que prestemos muita atenção ao que ali se passou e ao que Rodotà escreveu. Basta ver o que sucedeu entre nós com as PPP, com as obras públicas clientelares, que tiveram o tiro de partida com Cavaco Silva,  com o que está a acontecer com a Saúde, com o que se passa na Justiça, em que até o partido das becas, corroído pela despeita e o acinte, já acciona ex-ministros, alegadamente por causa de gastos ilegais, esquecendo-se de que dessa forma se está a violar de forma flagrante o princípio basilar da separação de poderes. Enfim, tendo presentes os pagamentos à Lusoponte, as justificações dadas por um impante "chico-esperto" e a ignorância do primeiro-ministro sobre a matéria, até às ligações de alguns ministros aos negócios com Angola, não se poderá deixar de ler e reflectir sobre o que Rodotà escreveu.
E se é certo, como ele diz, que nenhum político pode hoje invocar falta de informação, não é menos certo que "a ética pública não tem o seu fundamento apenas no Código Penal". O dever da politica, como ele refere, passa pela reconstrução da moral pública e ela deverá ser inflexível consigo própria se quiser reconquistar a confiança dos cidadãos. Tão simples quanto isto.

Um museu de luxo

A inauguração no passado domingo do novíssimo Museo Ferrari, em Modena, é motivo de satisfação para todos os apaixonados dos automóveis, do desporto automóvel e das obras de arte contemporânea. No meu caso, como "ferrarista", "alfista" e, já agora, também "maseratista" militante, é ainda maior o prazer por saber e ver que a Ferrari no museu dedicado ao comendador Enzo Ferrari não se esqueceu das suas origens e conferiu lugar de destaque à Alfa Romeo. Para quem não sabe, foi na Alfa Romeo que Enzo Ferrari começou por brilhar como líder da sua equipa de mecânicos e depois de ter saído, durante alguns anos, esteve impedido de usar a marca com o seu nome em virtude de um compromisso anteriormente assumido com a casa de Arese. Constitui, assim, uma justa homenagem à Alfa e o reconhecimento a quem tanto contribuiu para o reconhecimento da Ferrari.
Na imagem, o volante de um Fórmula 1 campeão do mundo.

Tudo na mesma

"Essa é a grande pergunta: porquê? O Governo queria. A troika exigiu. O Ministério da Economia avançou com um imposto especial para tirar de um lado o que os subsídios davam por outro. Adiou-se tudo por causa da privatização. Perdeu-se o tempo certo. A secretária de Estado do Tesouro anunciou no dia da venda aos chineses que o Governo continuava livre para decidir tarifas. Não continuou nada: os chineses enfureceram-se. O Governo, se os queria enganar, enganou-se. E calou-se.
Não foi só um secretário de Estado que se demitiu de um cargo, foi um Governo que se demitiu da sua função, tornando-se perigosamente parecido com quem criticara violentamente no passado.
O encaixe brutal da privatização tem contrapartidas, como se viu nas nomeações de políticos para a administração, como se vê agora nesta postura obediente aos chineses. No fundo, percebe-se agora, parte desse encaixe da privatização será pago por nós, consumidores e indústrias. É por isso que este é o país "até já": Santos Pereira diz até já a Henrique Gomes, Passos diz até já a Sócrates, todos dizemos até já aos lóbis, mudamos para que tudo fique na mesma, neste até já Portugal, até já sectores não transaccionáveis, até já cepa torta, sempre "até" e sempre "já" e sempre "nunca", nunca, nunca mais saímos disto
." - Pedro Santos Guerreiro, Jornal de Negócios, 14/03/2012

Igualdade social-democrata

"Salários dos gestores das empresas públicas só sofrem cortes em Abril" - título da primeira página do Público, 15/03/2012

"Os portugueses percebem que os cortes não são para todos" - Medina Carreira na primeira página do i, 15/03/2012

"Eu não conheço precedentes disto. E a gravidade está aí." - Pedro Santana Lopes ao Público, sobre um certo prefácio do Presidente da República, Público, 14/03/2012

Dias de sol (4)

Durante um par de horas percorremos o caminho que nos leva da Piazza Venezzia ao velho mercado do peixe, junto do Templo de Ottaviano, nas cercanias do Museo Ebraico e do Teatro de Marcello, até ao popular bairro, agora muito na moda entre intelectuais e artistas, de Trastevere. Tirando partindo da luz magnífica e de um céu tão azul e tão alto que nos sentíamos transportados em balão, lá percorremos ruas e vielas, apreciando a cor e o movimento, os rostos apressados e as paredes que a história ergueu. Por momentos detenho-me junto à Casa de Dante. E prosseguimos, calmamente, como se não houvesse amanhã, até à  Piazza di S. Cosimato e à Igreja de Santa Maria in Trastevere. Depois passamos por S. Egidio, onde o Museo di Roma in Trastevere nos acolhe o tempo necessário para visitarmos mais duas exposições, uma acabada de inaugurar, a outra a aproximar-se do fim. Quando ao cair da tarde cruzámos o Ponte Sisto a caminho da Piazza Farnese e do Campo de Fiori, onde alguns homens procediam às indispensáveis limpezas, e me deparei com a sempre presente e solitária estátua do filósofo Giordano Bruno, cujos originais dos autos que o sentenciaram pudera ver há alguns dias em Capimdoglio, não pude deixar de pensar nas contradições da vida, nas voltas que ela dá até voltar a compôr-se. Não sei se Bruno alguma vez, mesmo em sonhos, terá podido imaginar-se num pedestal do Campo de Fiori. Duvido. Mas naquele momento sonhei que ele teria gostado de me ver ali. E de nele reparar nu bulíçio do local. Depois de ter posto em causa o mundo e os dogmas que o rodearam antes de acabar condenado por pensar de maneira diferente, ei-lo ali reabilitado. Em toda a sua grandeza. Perante Roma e o mundo. Perante Deus e os homens. Não há nada como a defesa de uma ideia, com convicção, apoiada no saber, na inteligência e na coragem. Ainda quando todos os céus nos caem sobre a cabeça.

A estátua de Giordano Bruno

As flores que nunca faltam na sua praça.

quarta-feira, março 14, 2012

Um livro a não perder

"A oligarquia política italiana alimenta-se sem limites de enormes quantidades de dinheiro público que recebe e gere sem controlo, com efeitos destrutivos para as finanças públicas e a dinâmica democrática: este é hoje o financiamento público dos partidos, sob diversas formas".

É este, numa tradução por cujas falhas só eu respondo, o primeiro parágrafo do livro que acabou de sair e que aqui dou a conhecer aos leitores deste blogue que se interessam por estas coisas da liberdade, da democracia e dos partidos. Tive a sorte de conseguir um exemplar da 1ª edição, mas acredito que tal como aconteceu com La Casta, ainda a aguardar uma tradução para português, também este baterá recordes tal a importância e actualidade do tema e o vasto manancial de factos e documentos que os autores publicam.  Os autores são desconhecidos em Portugal mas sobejamente conhecidos em Itália. Um é Elio Veltri, médico, professor da Universidade de Pavia, político e jornalista, que foi um dos fundadores da "Itália dos Valores". O outro é Francesco Paola, conhecido advogado e especialista em direito penal, co-autor do livro "Il governo dei conflitti". A similitude entre o que por lá se passa e entre nós vai acontecendo torna este livro de leitura obrigatória. Enquanto não discutirmos estas questões a sério entre nós nunca compreenderemos as demissões de alguns membros do Governo ou a petulância de outros e de mais uns quantos parlamantares e comentadores "vitalícios" do nosso regime. Isto está a precisar de uma boa fronda. Ou de várias, se necessário. Mas antes convém ler este livrinho para que depois não aconteça o mesmo de sempre: que a emenda não seja pior do que o soneto.

Dias de sol (3)

Há sempre uma primeira vez. E posso garantir-vos que não é preciso ser primeiro-ministro ou "escrevinhador de prefácios" para ir ao Quirinale. Numa notável iniciativa das instituições da República Italiana, a comemorarem os 150 anos da Unificação, o Palácio do Quirinale, actual residência do Presidente da República, abriu as suas portas a todos os que queiram lá ir. De interessante, para além de uma exibição de carruagens, carros e motas que foram usados por reis e presidentes, saliento a interessantíssima exposição de documentos, quadros, gravuras e esculturas guardados no Quirinale. Na imagem de cima podem ver o texto original da Constituição italiana assinada pelos parlamentares que a votaram.
 O pátio interior do Palácio do Quirinale num momento do render da guarda.

Um magnífico Lancia que em tempos esteve ao serviço dos presidentes.

E depois de fazermos uma viagem pelos segredos, não do Vaticano mas da presidência italiana, nada como ler os últimos textos de Giorgio Napolitano, incluindo, este sim a merecer leitura, o respectivo prefácio. Para quem viu o que se passou antes em Itália, com os governos de Berlusconi, assistiu ao que se passou em Portugal com José Sócrates e está agora a pasmar com os erros grosseiros do governo de Passos Coelho, ante a total secura, manifesta falta de capacidade para o exercício das funções  e um mínimo de senso político por parte do mais alto magistrado da Nação, vale a pena recordar algumas das palavras escritas por Napolitano: "Il prezzo che si paga per il prevalere - nella sfera della politica - di calcoli di parte e di logiche di scontro sta diventando insostenible. Una coza è credere nella democrazia dell'alternanza; altra cosa è lasciarla degenerare in modo sterile e dirompente dal punto di vista del comune interesse nazionale". Os nossos governantes também deviam perceber isto. Não seria pedir-lhes muito, penso eu, mas admito que para quem escolheu viver e enriquecer com e à custa da política, aproveitando as horas vagas para andar a tirar cursos que pudessem conferir um título na hora da tomada de posse, seja naturalmente difícil compreender coisas tão simples.

Dias de sol (2)

Roma e Pavia não se fizeram num dia. E uma exposição como esta não foi coisa fácil de conseguir. Pelo valor das obras que se conseguiu reunir, pela quantidade de entidades que foi preciso convencer a autorizar a saída dos quadros das suas bases, pela segurança exigida e pelo valor astronómico dos seguros. Convenhamos que juntar na Scuderie del Quirinale a maior exibição jamais vista de obras de um senhor chamado Jacopo Robusti, que passou à história como Tintoretto, não está ao alcance de muita gente. Vittorio Sgarbii foi o responsável por esta explosão de génio e de cor, assente em três temas fulcrais da obra de Tintoretto: a religião, a mitologia e o retrato. Com obras que vieram de museus de Viena, de Londres, de Milão, de Paris, de Munique, de Veneza ou de Modena, e onde é possível ver os dois mais famosos auto-retratos do pintor, a abrir e a fechar a mostra, para além de obras como Apollo e Dafne, Deucalione e Pirra, O Milagre dos Escravos, S. Jorge e o Dragão, Jesus entre os Doutores, A Última Ceia, A Criação dos Animais, a esplêndida Susanna entre os Velhos, Santa Maria do Egipto e Santa Maria Madalena, a exposição tem ainda o atractivo de juntar a Tintoretto - a verdadeira cereja no topo do bolo - artistas com quem aquele mestre interagiu. Quem? Apenas gente como Tiziano, Bonifacio Veronese, Giovanni Demio, Lambert Sustris, Parmigianino, El Greco, Schiavone e Paolo Veronese. Às quartas-feiras, até 4 de Abril e aproveitando a exposição, que só terminará em 10 de Junho, decorrem também os "Encontros" (I Mercoledí di Tintoretto - Incontri) sobre a sua obra (com entrada livre na Sala Cinema do Palazzo delle Esposizioni, na Via Milano, 9), às 18.30. Na semana passada esteve lá Giovanni Carlo Federico Villa, hoje estará Antonio Paolucci. Garanto-vos que não darão o vosso tempo por mal empregue. 

terça-feira, março 13, 2012

Dias de sol (1)

Há cidades de onde nunca chegamos a sair. Por tudo aquilo que elas nos dizem e transmitem. E porque sabemos que por nunca termos saído haveremos sempre de voltar. Roma é um daqueles lugares mágicos de onde nunca se sai mesmo quando não se está. A ela voltarei sempre enquanto tiver vida, saúde e meios que mo permitam. E desta vez não foi diferente. Regressar nesta altura do ano a Itália tem algo de ainda mais fascinante porque há muitos acontecimentos que assinalam o fim do Inverno e marcam os dias mais longos e solarengos que anunciam as estações seguintes. Na Piazza de Campidoglio, nas traseiras do monumento a Vittorio Emanuele II, entre o Foro Romano e a Piazza Venezia, ficam os Museus Capitolini e o Palácio dos Conservadores. Independentemente do interesse que os museus sempre têm, nem que seja só para rever a fabulosa estátua de Marco Aurélio, cuja réplica do original que está no interior está agora na Praça exposta aos elementos da natureza,  tive desta vez a sorte de visitar uma exposição que vivamente aconselho a quem possa fazê-lo.  Chama-se "Lux Arcana - L'Archivio Segreto Vaticano Si Revela". Consiste numa mostra de cerca de 100 documentos do vastíssimo Arquivo Secreto do Vaticano. A exposição assinala os 400 anos da fundação do Arquivo e entre outras relíquias absolutamente fabulosas, como os documentos dos processos contra Galileu e Giordano Bruno, a carta dos membros do parlamento inglês ao papa Clemente VII, a propósito das questões matrimoniais de Henrique VIII, as cartas de Maria Antonieta enquanto aguardava a sua hora e da imperatriz chinesa convertida ao Catolicismo e que tomou o nome cristão de Helena, a carta de Miguel Ângelo a monsenhor Cristoforo Spiritti, bispo de Cesena e futuro patriarca de Jerusalém, a bula de deposição de Frederico II ou a carta de Abraham Lincoln, é possível vermos, imaginem, a bula "Inter Cetera", de 4 de Maio de 1493, pela qual o papa Alexandre VI, Domingo Borja, reconhece a linha de Tordesilhas e os limites dos impérios marítimos de Portugal e de Espanha. A exposição está patente ao público até 9 de Setembro e o bilhete custa € 12,00. Uma ninharia mesmo nos dias de crise e insânia que atravessamos, mais ainda se pensarmos que nas próximas décadas, ou gerações, os vossos olhos e os dos vossos filhos muito provavelmente não terão outra oportunidade de voltar a ver aquilo que ali está patente. Já agora, se puderem, tragam-me o catálogo (€ 15,00), que eu, tão inebriado estava com o que tinha visto, esqueci-me completamente de comprar antes de sair.

quarta-feira, março 07, 2012

Regresso à normalidade

17ª vez entre os 8 melhores da Europa. Sem favor. Como alguém dizia no final, o Benfica já não estava habituado a árbitros que deixassem jogar a equipa, a árbitros que não se deixam condicionar e contaminar pelo ambiente putrefacto do futebol nacional. O Benfica não precisou que o árbitro o favorecesse. Bastou-lhe que Howard Webb não o prejudicasse.

sexta-feira, março 02, 2012

Quatro notas soltas

1 - Rui Rio deu na quarta-feira passada uma excelente entrevista a Gomes Ferreira na SIC-Notícias. Não foi a primeira vez que foi entrevistado e marcou a diferença. Não vivo no Porto e não sei se ele foi um bom presidente da Câmara. Mas há factos que são incontornáveis e que vão muito para além do exercício da função. São os que têm a ver com a sua própria postura. Não sendo militante nem simpatizante do PSD e não me movendo por interesses oportunistas ou carreirismo serôdio, penso ser insuspeito para dizer o que digo dele. Pode-se não gostar do estilo, mas eu também não gostava do estilo de Sócrates, como não gosto do estilo Miguel Relvas, nem do estilo Cavaco Silva, mas Rio não é comparável com nenhum destes. Rui Rio é a antítese dos políticos que temos tido. É sereno, tem ideias consistentes e claras, tem formação cultural e académica, tem percurso profissional e político, é pragmático. E, além do mais, tem desapego ao cargo e à política e, embora discreto, carisma. Não concordo com muitas das suas ideias, mas a forma como ele é capaz de expô-las e defendê-las marca a diferença. Num sistema de políticos anódinos, sem qualificações ou mérito profissional relevante, inconsistentes, cujo carácter é feito de plasticina e esperteza saloia, será difícil resistir a um político como Rio. Por não depender da política tem liberdade e autoridade para falar como fala. E não deixa de ser curioso que sejam os líderes das duas maiores autarquias do País aqueles que ainda conseguem dar alguma confiança aos portugueses. Tudo o que estes dois têm - Rui Rio e António Costa - não têm os outros. Oxalá não se fartem da política e os portugueses ainda possam contar com eles durante muitos e longos anos. 

2 - A "reforma" autárquica do ministro Relvas continua a dar que falar. Como se viu pelo editorial do Público desta manhã, já aqui abaixo transcrito, o homem não tem emenda e pensa que todos os outros são parvos. É um caso perdido de incompetência política e pesporrência. E o entendimento de PSD e PS relativamente à interpretação da limitação de mandatos, com a peregrina tese de que o impedimento se aplica ao território e não à função, vai permitir a troca de cadeiras e de lugares entre os profissionais da política. Como já anteriormente escrevi, trata-se da cartelização do sistema político e do pior da partidocracia em todo o seu esplendor. O conluio e a interacção entre os principais partidos é por demais evidente. Para mal do sistema político, degradação do regime e continuação da acelerada perda de qualidade da democracia. E o argumento usado pelos partidos para subscreverem essa entorse aos princípios não colhe porque não será a primeira vez que um presidente de câmara salta de uma autarquia para outra levando consigo o seu pessoal político, toda a sua equipa de autarcas e de assessores, bem como todas as empresas que antes gravitavam na autarquia de onde saíram e que, graças a este expediente do ministro Relvas acolhido pelo PS "renovado" de António José Seguro, poderão continuar a fazer negócios na autarquia para onde se mudar o seu "homem". Não pode haver renovação enquanto os actores políticos de sempre se forem revezando nos cargos e nos órgãos, saltitando de uns para outros com a benesse dos partidos políticos. O que irá acontecer nas autarquias será exactamente o mesmo que já acontece hoje dentro dos partidos. Quando esgotam o prazo de validade num órgão mudam para outro, isto é, mudam para o poleiro do lado. Tudo com a maior transparência e na paz do Senhor. O povo e a democracia que se lixem.

3 - O Presidente da República fez hoje uma declaração, mais uma, de tarar. Foi no Congresso dos Magistrados do Ministério Público. De acordo com a Lusa, Cavaco Silva chamou a atenção do poder político "para a necessidade de reforçar o prestígio dos magistrados através de uma "cuidada reafirmação do seu estatuto de independência e autonomia". Uma vez mais o Presidente da República esqueceu-se de que não será essa a via pela qual se reforçará o prestígio dos magistrados. o que o Estado, através do poder político, tem de fazer é de melhorar as condições de funcionamento dos tribunais e simplificar a teia legislativa, eliminando as armadilhas, os "esquemas" e toda a série de artimanhas que têm impedindo que a justiça se faça a tempo e horas. Fazendo uma reforma ao estilo da que foi feita para os Tribunais Administrativos, do ponto de vista processual. Porque quanto ao mais, quanto ao prestígio dos magistrados, este só poderá ser reforçado por via do exercício das suas próprias funções, por via da legitimação das suas decisões junto da opinião pública através da produção de promoções, despachos e sentenças claras, fundamentadas e o mais justas possível. Mas para isso é necessário ter gente de carácter, gente que assuma o risco das suas decisões, gente de espírito livre, gente que não se deixe condicionar pelo poder político ou económico e que não passe a vida a fazer queixinhas. Gente que seja capaz de se distinguir pelo trabalho, pelo brio e pelo mérito com que o desempenha, gente que não tenha a mentalidade do funcionário e que se predisponha a despachar apenas para fazer circular o processo ou se livrar dele porque é incómodo. E se acima dos magistrados os Conselhos funcionarem, e forem capazes de exercer as suas competências, com toda a liberdade e plenitude, então teremos tudo para que eles se prestigiem e sejam olhados de uma forma diferente daquela com que os cidadãos cada vez mais os olham, isto é, com desconfiança. Compreendo que estas coisas sejam difíceis de compreender para um Presidente da República que tem dificuldade em assumir-se como tal e que renunciou ao vencimento da função que exerce, embora não tenha também renunciado às ajudas de custo respectivas, para receber umas reformas que lhe davam mais ao final do mês. É que as ajudas de custo da função presidencial são atribuídas também em função do vencimento que o Presidente aufere pelo exercício dessa função e não para que sejam acumuladas com as reformas por que optou. Quem assim actua e por essa forma desprestigia o exercício da função não tem qualquer autoridade moral ou ética para depois vir pedir o que pediu.

4 - Tive ontem o privilégio de voltar a ouvir António Vitorino falar sobre a Europa com a categoria a que me habituou, como ele próprio simpaticamente recordou, desde "os bancos da faculdade". A iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Faro e o seu actual presidente, engº. Macário Correia, tem tanto de meritória quanto de propaganda, aliás na linha de uma campanha de renovação de imagem que em tempo de crise custou mais uns milhares ao erário público e aproveitou para acabar com as cegonhas no logotipo da cidade. Mas o que aqui importa sublinhar é a importância da iniciativa. Aquilo que a Câmara Municipal de Faro está a fazer devia ser a regra e não a excepção. E devia ser levado a cabo pelos próprios partidos políticos. Porque é fundamental dar novos instrumentos de participação aos cidadãos, porque é fundamental ter cidadãos esclarecidos e interessados, porque é fundamental criar oportunidades de participação e pôr as pessoas a pensar e a discutir os problemas em voz alta. E sem uma abertura do espaço público à cidadania tudo permanecerá como até aqui. Não há que ter medo, há que ousar, atirar as palas do partido para trás das costas e tomar a iniciativa. Seria bom que idênticas iniciativas tivessem tido lugar no passado, mas quanto a este ponto o actual presidente não tem culpa do que os outros que o antecederam não se lembraram, não fizeram ou não quiseram fazer.

Lido e registado

"A cada dia que passa percebe-se melhor que o Governo avançou com a reforma da administração local apenas porque tinha de ter alguma coisa na mão para aliviar a pressão da troika. Por isso, Miguel Relvas confunde as exigências do memorando de entendimento com a sua própria proposta, o que o leva até a acusar o PS de ter assinado o acordo para agora fugir às suas responsabilidades. Que se saiba, a troika pediu mexidas nas autarquias como o fez na Grécia, mas enquanto a Grécia extinguiu municípios para criar autarquias regionais, Portugal atacou o elo mais fraco: as freguesias. Com que objectivo? A proposta vai ter infíma contribuição para a redução do défice, vai anular a presença do Estado nas zonas mais frágeis do país e não vai no sentido da mudança de um Estado hipercentralizado para um Estado moderno. É uma reforma para alemão ver. (...)" - Editorial, Público, 02/03/2012.